Pilotos confusos da Vueling Airlines chamam atenção de autoridade de aviação

A Agência de Investigação de Acidentes Aéreos do Reino Unido (AAIB, na sigla em inglês) concluiu um relatório sobre dois incidentes ocorridos no aeroporto de Birmingham, na Inglaterra.

Em duas ocasiões, os pilotos de aeronaves A320 da companhia espanhola Vueling Airlines aparentaram “confusão” em relação às cartas de navegação antes do pouso. Embora as tripulações dos voos fossem diferentes, os problemas apresentados foram semelhantes. As ocorrências foram registradas no intervalo de quatro meses.

Na primeira delas, em 26 de agosto de 2019, voo VY8754, vindo de Barcelona, pousou apenas na terceira tentativa. Segundo relatório da AAIB, as duas primeiras aproximações foram feitas acima do perfil de descida correto. Exatamente a mesma situação se repetiu em 20 de dezembro, quando os pilotos conseguiram pousar apenas na segunda tentativa, após uma aproximação muito alta da primeira vez.

O que houve

Segundo a AAIB, os pilotos teriam se confundido ao ler com precisão, nos equipamentos de bordo, o ponto de descida correto após liberação do controle de tráfego aéreo. Segundo informou um dos comandantes, numa das aproximações eles tentaram calcular o que acreditavam ser o ponto de descida ideal, um procedimento que demorou alguns instantes e levou a uma descida num momento tarde demais.

De acordo com o relatório da AAIB, em ambos os casos, os pilotos pareciam não ter entendido corretamente quando deveriam iniciar a descida final. A representação do perfil de descida nas cartas fornecidas pela empresa aérea podem ter contribuído para esta incerteza.

A carta que teria causado confusão – fonte AAIB

No primeiro caso, é provável que o aumento da carga de trabalho devido ao cálculo do ponto ideal de descida contribuiu para que os pilotos não configurassem a aeronave corretamente nem para o pouso e nem para a arremetida, fazendo com o avião entrasse numa condição chamada de “Alpha Floor” (quando os computadores da aeronave reconhecem algo anormal e asseguram a potência máxima TO/GA, mesmo se não programado pelos pilotos e independente da posição da manete).

Recomendações do AAIB

Com base na investigação e concordando que a carta de aproximação oferecia margem para erros, a autoridade britânica recomendou que a Vueling Airlines incluísse uma variedade mais ampla de treinamento de simulação de aproximação e de consciência situacional dos pilotos. Dentre as ações recomendadas estão:

– a inclusão de aproximações com alta carga de trabalho extra e arremetidas no programa de treinamento em simulador;

– revisão dos procedimentos de interceptação do glide slope para garantir que eles sejam adequados;

– introdução de procedimentos para auxiliar os pilotos na estimativa da distância a ser considerada ideal para descida durante uma aproximação; e

– procedimentos para lidar de forma mais eficaz com uma perda de consciência situacional.

Fabio Farias
Jornalista e curioso por natureza. Passou um terço da vida entre aeroportos e aviões. Segue a aviação e é seguido por ela.

Veja outras histórias