Pilotos são aplaudidos após voo de 36 horas com 3 arremetidas e noite a bordo de aeronave

Avião Boeing 777-300ER British Airways

Um voo da British Airways enfrentou vários percalços até que conseguisse finalmente pousar no aeroporto internacional de Hong Kong, na última sexta-feira (8), após uma jornada de 36 horas. O caso foi registrado durante o voo BA-31, um serviço regular que parte de Londres e é operado com jatos Boeing 777-300.

Os pilotos decolaram com a aeronave no começo da noite do dia 8 de outubro, no que deveria ser uma viagem de 11 horas até o aeroporto internacional Check Lap Kok, em Hong Kong. No entanto, enquanto se aproximavam para o pouso, por volta das 14h locais, tiveram que lidar com as condições adversas trazidas pelos fortes ventos de um tufão, que chegava à costa chinesa.

Naquela tarde, vários voos foram desviados, inclusive o BA-31, mas não sem antes os pilotos britânicos realizarem duas tentativas de pouso, todas elas frustradas. Após os pousos abortados, os pilotos decidiram desviar para o aeroporto internacional de Manila, nas Filipinas, onde pousaram com sucesso cerca de uma hora e meia depois.

Mas o desafio ainda persistiu.

Imagem: Radarbox

Apesar de estarem em terra firme, os ocupantes da aeronave tiveram que lidar com outro problema: as restrições de fronteira das Filipinas, que exigiria quarentena, caso eles desembarcassem, e também as limitações de entrada em Hong Kong para passageiros vindos das Filipinas.

Por conta disso, nenhum dos passageiros ou tripulantes foi autorizado a sair do avião enquanto esperavam o fim da tempestade tropical e acabaram passando a noite a bordo da aeronave. Finalmente, às 9h45 da manhã, as condições meteorológicas em Hong Kong melhoraram e a aeronave conseguiu decolar.

A aproximação para o pouso foi normal até poucos metros antes do toque na pista, quando os pilotos decidiram abortar a aterrissagem mais uma vez. Por fim, na quarta tentativa, o pouso foi bem sucedido, resultando no vídeo abaixo, que mostra os aplausos aos pilotos.

Segundo a matéria do South China Morning Post (SCMP), o martírio, no entanto, ainda não havia acabado. Após o pouso, todos os ocupantes ainda tiveram que esperar várias horas no aeroporto de Hong Kong, até que os resultados de seus teses de Covid-19 fossem analisados.

Além disso, eles tiveram que esperar mais um tempo até conseguissem novas instalações de quarentena, já que suas reservas em hotéis específicos para isso foram canceladas devido ao no-show, resultante do atraso na chegada do voo.

De acordo com o SCMP, apesar do perrengue, os passageiros não pareciam irritados com a situação, mas entenderam o que aconteceu. A British Airways, por sua vez, emitiu um comunicado simples sobre o caso:

“Como outras companhias aéreas, nosso voo foi desviado para Manila devido à tempestade tropical Lionrock, impedindo um pouso seguro em Hong Kong. Nossos clientes foram atendidos a bordo da aeronave. Pedimos desculpas por qualquer inconveniente causado”.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Sob novo comando, SAS começa a pensar em abrir voos para...

0
A empresa aérea escandinava SAS parece estar criando planos para a América Latina. A informação foi dada pelo novo CEO da companhia aérea