Início Variedades Por molestar menores de idade, piloto de linha aérea passará os próximos...

Por molestar menores de idade, piloto de linha aérea passará os próximos anos na cadeia

white airplane under black clouds
Photo by Daniel Kist on Pexels.com

A juíza distrital Lynn Adelman condenou, em 24 de agosto de 2021, o ex-piloto de linha aérea Devery Moses, 29, a 180 meses de prisão federal. De acordo com os registros do tribunal, Moses se envolveu em extorsão online com várias meninas menores de idade nos Estados Unidos, Reino Unido e Canadá. Algumas das vítimas tinham apenas 12 anos. 

Os registros indicam que, depois que Moisés recebeu fotos e vídeos sexualmente explícitos de suas vítimas, ele ameaçou expô-los nas redes sociais se elas não atendessem à sua demanda por atos sexuais cada vez mais ultrajantes e bizarros. Os registros do caso revelam que muitas das vítimas sofreram traumas emocionais significativos e contínuos por causa de suas ações, incluindo uma vítima relatando pensamentos suicidas.

Segundo informou o Departamento de Justiça dos EUA, o julgamento deste caso foi o resultado dos esforços extraordinários da Divisão de Investigação Criminal do Departamento de Justiça de Wisconsin, em colaboração com a Divisão de Milwaukee do Federal Bureau of Investigation e o Gabinete do Promotor Público do Condado de Kenosha. 

A sentença federal de Moses será executada simultaneamente com uma sentença de um ano anteriormente imposta para uma condenação estadual por posse de pornografia infantil.

Este caso foi apresentado como parte do Projeto Infância Segura, lançada em maio de 2006 pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos como uma iniciativa nacional para combater a crescente epidemia de exploração e abuso sexual infantil. Liderado pelo Ministério Público dos Estados Unidos e pela Seção de Exploração e Obscenidade Infantil (CEOS), o Projeto mobiliza recursos do governo para localizar, apreender e processar os indivíduos que exploram crianças pela internet, bem como para identificar e resgatar as vítimas. 

Para obter mais informações sobre o Project Safe Childhood, visite www.projectsafechildhood.gov. 

Sair da versão mobile