Por que 16 aeronaves pousaram em uma pista fora de uso em Amsterdam?

No dia 18 de janeiro, o aeroporto de Amsterdam, capital da Holanda, viu seu controle de voo autorizar 16 aeronaves a pousarem em uma pista que não estava disponível para as operações. Como e por que isso teria ocorrido?

Avião Boeing 747 KLM

Naquele sábado do dia 18 de janeiro, tudo corria normalmente no movimentado aeroporto, quando um incidente envolvendo um Boeing 737 da companhia aérea Transavia levou ao fechamento da pista 09 / 27 no aeroporto de Schiphol.

O 737 pousou em segurança, mas foi forçado a fechar a pista, devido a um problema com um pino de segurança esquecido no trem de pouso do nariz da aeronave. Após o pouso, foi necessária a retirada do pino para que o piloto pudesse livrar a pista (fica a dúvida: como ele conseguiu taxiar no aeroporto de onde decolou?).

Como resultado, até que o Transavia liberasse a pista 27, várias aeronaves pousaram na pista 18C / 36C – uma pista que não estava disponível para o controle de tráfego aéreo (ATC) holandês.

Amsterdam Airport Chart
Carta aeronáutica com as 6 pistas do aeroporto de Schiphol

Não disponível para o ATC

Com a pista 27 indisponível devido ao incidente do voo HV706 da Transavia, o controle de tráfego aéreo holandês, também conhecido como LVNL (Luchtverkeersleiding Nederland), direcionou as aeronaves para pousarem na pista 18C / 36C. A questão principal é que essa pista não estava formalmente disponível para o LVNL naquele dia.

Segundo o Aviation24, o LVNL fez a seguinte declaração oficial:

“Esses pousos ocorreram durante um período de 25 minutos. Todas as partes envolvidas estavam cientes do uso da pista 18C / 36C (Zwanenburgbaan). A pista havia sido inspecionada e a iluminação da pista com os barramentos correspondentes que protegem contra a entrada não autorizada na pista havia sido ligada. Isso garantiu que não havia risco de colisão.”

Apenas a título de curiosidade, todas as pistas de Schiphol têm ‘nomes comuns’. O nome “Zwanenburgbaan” da pista em questão vem da vila de Zwanenburg.

Apesar da declaração de que tudo estava dentro dos padrões, o Aviation24 informa que o LVNL relatou o incidente ao Conselho de Segurança da Holanda (Onderzoeksraad voor Veiligheid), e também está conduzindo sua própria investigação sobre a ocorrência.

Procedimento para uso da pista

Nesse contexto específico, existe um procedimento adequado que o controle de tráfego aéreo deve seguir para usar uma pista. Primeiro, ele deve notificar o aeroporto sobre sua intenção de usar a pista. Ele também precisa indicar o horário exato em que prevê o início do uso.

Em seguida, é necessário realizar uma inspeção na pista para garantir a adequação. Esta parte do procedimento é concluída pelo aeroporto. Após a conclusão da inspeção, o ATC deve enviar uma solicitação formal ao aeroporto para começar a usar a pista.

Como o incidente acima teve que ser relatado e o LVNL e o Conselho de Segurança da Holanda estão investigando, possivelmente o procedimento não foi realizado completamente, mas não há maiores detalhes até o momento.

Considerando-se que Schiphol tem 6 pistas, causa certa estranheza a escolha da pista fora de uso ao invés das demais disponíveis. Todo esse conjunto de fatores levanta a dúvida: teria o LVNL realmente garantido que a pista estava segura, ou se esqueceu e a utilizou por engano?

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

FAB abre vagas para Curso de Formação de Taifeiros da Aeronáutica

0
A Força Aérea Brasileira (FAB) lançou as Instruções Específicas para o Exame de Admissão ao Curso de Formação de Taifeiros da Aeronáutica