Por que um Airbus A320 da Azul foi flagrado na Costa Rica?

Na última semana, um Airbus A320 da Azul foi flagrado realizando um voo entre Belo Horizonte e San Jose, na Costa Rica. Mas o que ele foi fazer lá, considerando que a empresa aérea não possui essa rota e não havia nenhum voo fretado programado?

Azul

Alguns leitores nos enviaram capturas de telas de rastreadores de voos, como FlightRadar24 e FlightAware, alertando para a rota diversa e nos questionando o motivo. Assim, esse artigo visa dar um pouco mais de elementos a essa história e ajudar mais gente, que tem essa dúvida, a entender a razão do voo.

É um ceo

Inicialmente, é importante conhecer qual foi a aeronave em questão. Segundo dados do FlightAware, encontramos um A320 ceo (série que precede o neo), de matrícula PR-AJE, cumprindo essa rota no último dia 22 de janeiro.

De pronto, a história fez sentido, já que o AJE está sendo repassado para a Latam e nós informamos aqui, mais cedo nesse mês de janeiro. Apesar de ser uma aeronave nova, com apenas seis anos de uso, a Azul ficou pouco tempo com ela na frota.

Captura do FlightAware com a rota da aeronave

Isso ocorreu porque a Azul está trabalhando para padronizar sua frota de A320 na série neo, que é mais nova e, portanto, pegou esse avião em meados do ano passado, apenas provisoriamente, enquanto os neo não eram entregues.

Enquanto isso, a Latam ainda possui uma frota representativa de aeronaves da série ceo, e se interessou pela aeronave. Curiosamente, esse mesmo avião pertenceu antes à Avianca Brasil, ou seja, em mais alguns dias “vestirá” as cores de sua terceira empresa aérea brasileira, desde que deixou a fábrica em 2014.

Mas por que ele foi para a Costa Rica?

Voltando ao centro da questão. Já sabemos qual é o avião e que ele foi repassado para outra empresa, mas falta entender o que ele foi fazer na Costa Rica.

A resposta é que ele foi passar por um processo de manutenção e adaptação interna e externa aos padrões da Latam. Apesar de a Latam possuir alguns dos mais modernos centros de manutenção da América Latina, em São Paulo, São Carlos e Santiago, para certos trabalhos (e, eventualmente por disponibilidade), as aeronaves fazem manutenções em outros locais ao redor do mundo.

No caso da Costa rica, com mão de obra qualificada e muito mais barata, diversas empresas têm instalado centros de serviços no país centro-americano, e o mesmo movimento acontece com a aviação. Em San José, encontram-se alguns dos MROs mais conhecidos das Américas e muitas empresas aéreas mandam seus aviões para lá, para passarem pelos mais diferentes tipos de procedimentos que vão desde pintura e manutenção pesada, a instalação de wi-fi em aeronaves.

Um desses centros de manutenção (e talvez o maior) é a Coopesa, que presta serviços para o gupo Latam há alguns anos. Inclusive, curiosamente, a foto de capa do site da Coopesa é justamente um A320 com a pintura da TAM, como você vê abaixo.

Se o avião foi para lá, podemos ter certeza de duas coisas; ele voltará com várias modificações e ficará um tempo na frota da Latam (não será algo provisório, de curto prazo).

Sendo assim, pensamos que o avião deve sair de lá, obviamente, com a pintura da Latam e o novo prefixo (PR-TQA), bem como com um interior totalmente refeito, no novo padrão da empresa latino-americana.

Não questionamos a empresa para saber de detalhes, mas é possível que ele saia dessa manutenção com o novo padrão de interior, que vai contar com a Premium Economy.

Em mais algumas semanas, quicá um par de meses, veremos novamente essa aeronave voando pelos céus do Brasil.

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.