Portuguesa HiFly quer mais Airbus A380, “assim que eles estiverem disponíveis”

Airbus A380 da HiFly – Imagem: Joseph Bezzina

A companhia aérea portuguesa Hi Fly, focada em wet-lease de aeronaves, pretende adquirir mais A380s, “assim que eles estiverem disponíveis”. Assim disse à imprensa o presidente da empresa, Paulo Mirpuri, durante o evento de entrega do A330neo, na última terça-feira (3).

A modalidade de wet-lease consiste em não apenas alugar uma aeronave por um curto prazo de tempo, mas também fornecer combustível, tripulação, comida, pilotos e até certificado de companhia aérea. Uma boa analogia seria a diferença entre alugar um carro ou alugar um serviço de limusine que ofereça tudo.

Até agora, a empresa diz ter obtido muito sucesso, alugando sua frota em todo o mundo, principalmente para transportadoras europeias, como a Norwegian, a outras localizadas em lugares mais distantes, como Austrália e Ásia. Atualmente, a companhia aérea opera 17 aeronaves, incluindo o A330neo, recebido ontem.

Mas uma das razões pelas quais a HiFly é tão especial é o fato de ser a única companhia aérea de wet-lease do mundo a ter um Airbus A380. A aeronave é um ex-Singapore e tem três classes a bordo, incluindo as várias suítes privadas da primeira classe.

Até agora, a aeronave ficou popular por suas várias semanas de ação com a Norwegian, voando em direção ao Oceano Índico para a ilha de Reunion pela primeira vez, e até mesmo indo tão longe como a Venezuela.

Alguns operadores já demonstraram inclinação a uma aposentadoria precoce do A380, com isso várias unidades podem ficar disponíveis no mercado a um custo muito menor do que o padrão, favorecendo operações como essa da Hi Fly.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Política de preço de querosene de aviação será debatida na Câmara...

0
Serão debatidos os sucessivos aumentos de preço, devido à política de paridade de preço internacional adotada pela Petrobras.