Preço das viagens aéreas pode subir forte com ataques na Árabia Saudita

Avião Airbus A340 Iberia

Rebeldes Houthis assumiram a responsabilidade por um ataque de drones que destruiu a maior instalação de processamento de petróleo do mundo na Arábia Saudita neste final de semana, vital para o fornecimento global do combustível.

Os ataques ao processador e a um grande campo petrolífero, operado pela Saudi Aramco, no início de sábado provocaram um grande incêndio, conforme vídeos amplamente divulgados nos últimos dias.

Segundo a Reuters, o ataque interrompeu a produção e as exportações, com uma fonte alegando que 5 milhões de barris por dia de produção de petróleo foram impactados – quase metade da produção do reino.

E imediatamente o mercado mundial de negociação de petróleo reagiu com uma forte alta nos preços do óleo Brent, utilizado como referência mundial para a cotação de preços da commodity.

Os preços saltaram quase 20% em apenas um dia no final da semana, o que deve impactar rapidamente os preços dos combustíveis de origem fóssil no mundo todo, como a gasolina e o querosene da aviação. Veja na imagem abaixo a forte subida do preço na linha laranja do gráfico.

Oil Price spikes Saudi Arabian atack

E se toda a aviação mundial já sofre para se adequar a subidas de preço do combustível, a aviação brasileira é ainda mais impactada, já que os impostos que incidem sobre o produto são mais altos do que na maior parte do mundo.

Segundo dados de 2016 de um estudo da Sheel Global, em alguns aeroportos brasileiros o preço chega a ser o dobro, por exemplo, em relação a aeroportos dos Estados Unidos, grande parte em função de impostos como o ICMS. Veja ao final desta matéria o impacto que a redução do ICMS no estado de São Paulo teve na geração de empregos na aviação.

Com isso, os custos do abastecimento podem ultrapassar 30% do custo total da operação das companhias aéreas brasileiras. Assim, é quase certo o impacto breve dessa nova crise global que parece se instalar no mercado do petróleo.

Prepare seu bolso para suas futuras viagens aéreas e também para o abastecimento de seu veículo.

Murilo Basseto

Formado em Engenharia, foi um dos líderes do Urubus Aerodesign da Unicamp e um dos responsáveis por alçar o grupo à elite mundial da engenharia aeronáutica universitária. Atualmente é Editor-Chefe do AEROIN.