Prefeita de Barcelona quer acabar com voos para Madrid e outros destinos

A aviação está em turbulência na Espanha, depois que a prefeita de Barcelona, ​Ada Colau, anunciou há alguns dias que solicitará ao aeroporto de Barcelona-El Prat, o principal da cidade da Catalunha, que encerre todos os voos para destinos que possam ser alcançados de trem, incluindo assim a ‘Ponte Aérea’ com a capital espanhola Madri.

FlightRadar24 Voo Ponte Aérea Barcelona Madrid
Um dos diversos voos entre Barcelona e Madrid – Imagem: FlightRadar24

O objetivo é reduzir as emissões de carbono no país, já que o trem de alta velocidade AVE (Alta Velocidade Espanhola) produz 20 vezes menos CO2, afirma Colau, e, portanto, representa uma alternativa mais ecológica.

Os trens de alta velocidade conectam a estação Barcelona Sants com a Madrid Atocha quase 20 vezes por dia em cada direção. O percurso tem duração média de duas horas, chegando a apenas 30 minutos no caso de trens sem paradas e a pouco mais de três horas para os trens que param nas estações intermediárias.

Os voos entre Madrid e Barcelona demoram um pouco mais de uma hora, mas as estações de trem estão localizadas no centro da cidade, enquanto os aeroportos exigem tempo considerável para serem alcançados.

Além disso, o processo de check-in e embarque de trens é substancialmente mais rápido, dada a ausência de triagem de segurança, tornando o tempo global da viagem mais rápido em trem do que em avião.

Atualmente, existem até 30 voos diários entre Barajas e El Prat operados por três companhias: Iberia, Vueling e Air Europa. A Iberia e a Vueling fazem parte do grupo IAG que também fez uma oferta pública de aquisição da Air Europa, aguardando aprovação regulatória.

FlightAware Voos Ponte Aérea Barcelona Madrid
Alguns dos voos dessa quarta-feira na Ponte Aérea espanhola – Imagem: FlightAware

Apesar de ser uma das rotas mais movimentadas da Europa, a Ponte Aérea Barcelona-Madri viu uma queda acentuada no número de passageiros quando a operadora estatal espanhola Renfe abriu a ligação de alta velocidade AVE em 20 de outubro de 2008.

Segundo dados do Eurostat, em 2007 a rota foi voada por 4.697.775 pessoas. Dois anos depois, os números haviam caído para 2.942.406, uma redução de 37%. O movimento de queda continuou até 2014, quando registrou seu ponto mais baixo em 2.204.737 e, em seguida, começou a crescer em média 2,1% ao ano, para 2.466.968 em 2018.

O plano da prefeita Colau, no entanto, não leva em consideração a necessidade de conectar os passageiros que precisariam ser transferidos da estação de trem para o aeroporto ou vice-versa, o que acrescentaria várias horas à viagem.

O debate ainda está em andamento, embora não esteja claro se Colau tem intenção de avançar com qualquer ação executiva ou se ela tem poder para impor uma medida tão drástica.

Enquanto isso, em terras tupiniquins sem trens de alta velocidade, a Ponte Aérea continua a todo vapor:

Murilo Basseto

Formado em Engenharia, foi um dos líderes do Urubus Aerodesign da Unicamp e um dos responsáveis por alçar o grupo à elite mundial da engenharia aeronáutica universitária. Atualmente é Editor-Chefe do AEROIN.