Presidentes Macron e Merkel almoçam sorridentes em um avião Airbus A350 inacabado

Na última quarta-feira (16), o presidente francês Emmanuel Macron recebeu a chanceler alemã Angela Merkel na fábrica da Airbus em Toulouse.  O evento incluiu muitas fotos, declarações públicas e um almoço a bordo de um modelo em tamanho real do Airbus A350, mas o principal motivo foi mostrar ao mundo que os dois países chegaram a um acordo sobre a venda de armas produzidas pelos dois em conjunto.

Para por em contexto

Desde a morte do jornalista Jamal Khashoggi, dentro da embaixada da Arábia Saudita na Turquia, a Alemanha decidiu suspender a venda de armas para a Arábia Saudita, e pediu à França que seguisse o mesmo caminho, para equipamentos militares que possuíssem componentes produzido na Alemanha.

No entanto, a França sempre se opôs a tais argumentos e questionou as regras de imposição de embargos, colocando em risco o futuro de projetos comuns de desenvolvimento de equipamento militar que estão em curso, inclusive da Airbus.

Não foi por coincidência que, um dia após o evento na Airbus, os países tenham anunciado que chegaram a um acordo – embora esse ainda não tenha sido totalmente divulgado.

Almoço a bordo do A350

A turnê dos dois líderes europeus na fábrica foi interpretado como um gesto simbólico da cooperação dos países e, para acalmar os ânimos do mercado, nada melhor do que usar a Airbus como pano de fundo político.

Durante a visita, os dois líderes mundiais percorreram a linha de montagem do A350 em Toulouse, falaram com a imprensa e sorriram bastante, como num encontro informal. Mais tarde, foram trocadas conversas com funcionários franceses e alemães da Airbus. 

Por fim, os dois participaram de um almoço com estudantes e aprendizes do ensino médio. Esses rapazes e moças são participantes do programa Airbus Campus e o evento ocorreu especificamente dentro da fuselagem um A350, onde foi montada uma mesa. Não é todo o dia que vemos um almoço de líderes de grandes potências em eventos assim, e essa abordagem mais popular, chamou bastante a atenção da imprensa europeia.

Comentando o evento, o diretor de vendas da Airbus, Christian Scherer, disse o seguinte: “O A350 é nosso carro-chefe, é o nosso produto mais moderno atualmente, o único equipamento de longa distância e longo alcance que foi completamente reprojetado com 70% de novos materiais e 25% de redução no consumo de combustível comparado a aeronaves da mesma geração”.

Encontro foi um símbolo de cooperação

Outra questão estratégica do evento, é que ele foi planejado para ocorrer dias antes da cúpula européia que aconteceu na quinta-feira. A Airbus “per se” é um dos melhores símbolos da cooperação européia, pois é uma colaboração entre empresas de aviação francesas, alemãs e espanholas. Portanto, o encontro foi visto como um outdoor político para os dois países.

Para falar resumidamente, o impacto da Airbus na economia europeia é tremendo, conforme mostram os números abaixo:

  • Em toda a Espanha, o fabricante emprega aproximadamente 3.400 homens e mulheres, produzindo estabilizadores horizontais para toda a gama de aeronaves comerciais da Airbus.
  • Na França, a área em torno do Aeroporto de Toulouse-Blagnac abriga as linhas de montagem finais de toda a linha de jatos comerciais da Airbus (famílias A320, A330, A350 XWB e A380). Além disso, abriga instalações para equipar a cabine de passageiros e pintar aeronaves completas.
  • Na Alemanha, a cidade de Hamburgo desempenha um papel fundamental nos programas A330 e A350 XWB, dentre outros, fabricando e equipando as seções de fuselagem dianteira e traseira dos aviões a jato. Em Bremen, existem mais de 3.000 pessoas responsáveis ​​pelo “design, fabricação, integração e teste de sistemas de alta sustentação para as asas de aeronaves da Airbus”. No Stade, são fabricados os principais componentes da fuselagem e asas do A350 XWB, feitos de polímero reforçado com fibra de carbono.

Em resumo

Emmanuel Macron disse o seguinte sobre o evento em seu Twitter (a postagem é traduzida do francês): “Queria encontrar-me novamente em Toulouse com Angela Merkel para defender um carro-chefe industrial em um momento de tensões comerciais. Com as mulheres e os homens da Airbus, mostramos nossa capacidade de ter sucesso juntos”.

De fato, a Bloomberg também relata que a Organização Mundial do Comércio acabou de dar luz verde aos Estados Unidos para impor tarifas sobre US$ 7,5 bilhões em exportações europeias como retaliação direta aos subsídios da Airbus. A Europa promete reagir, o que intensificaria o clima de tensão.

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.