Projeto de um avião Airbus A320neo militar pode ter ido por água abaixo

O programa franco-alemão de um Sistema de Guerra Aerotransportada Marítima (MAWS), que substituiria o P-3 Orion alemão e o Breguet Atlantique 2 francês por uma nova aeronave, está prestes a ser cancelado pela França, após o abandono tácito da Alemanha, informa nosso parceiro Aviacionline.

Segundo o jornal La Tribune, Paris anunciará em breve o fim da sua participação no programa MAWS e recorrerá a uma solução inteiramente francesa. A decisão da Alemanha de comprar cinco aeronaves Boeing P-8A Poseidon dos Estados Unidos por 1,43 bilhão de euros, aborreceu muito a França.

Inicialmente, a Alemanha decidiu modernizar sua frota de 8 P-3Cs, adquiridos da Holanda em 2006 e operados pela Marineflieger (o braço aéreo da Marinha Alemã). Enquanto isso, a França estava realizando seu próprio programa de modernização de seu Breguet Atlantique 2 (ATL2) e, juntos, buscariam desenvolver um novo sistema de combate marítimo aerotransportado, que não só incluiria a aeronave, mas também acrescentaria drones, satélites, etc. tudo integrado.

A Airbus havia mostrado alguns conceitos muito interessantes sobre uma família de aeronaves de missão especial, baseada no A320 Neo, dos quais o principal seria sua proposta para o MAWS, e um concorrente direto do P-8A.

Mas, no final, a Alemanha decidiu cancelar a modernização dos Orions e adquirir cinco Boeing P-8A Poseidons para substituí-los. Na Alemanha, eles afirmam que é uma solução provisória, mas ninguém realmente acredita nisso. Com os P-8s, o Marineflieger cobrirá sua necessidade de exploração marítima distante pelos próximos 30 anos, dando ao MAWS um tiro mortal.

França e Alemanha, ultimamente, estão tendo muitos problemas para realizar harmoniosamente seus projetos comuns de defesa. Além do sistema de patrulha marítima, ambas as nações estão desenvolvendo um tanque de próxima geração, substituindo o Leopard A7 e Leclerc, e o sistema de combate aéreo FCAS de próxima geração, ambos programas de ponta, e que estão passando por tempos ruins.

Agora, a França terá que encontrar uma solução por conta própria, que pode vir das mãos de Dassault e sua família Falcon. No final do ano passado, foram finalizados os detalhes da compra pela Marine Nationale de 12 Falcon 2000LXS convertidos em aeronaves de vigilância marítima.

E embora o Falcons possa oferecer inteligência marítima distante e capacidade de exploração, a um preço relativamente baixo, ficará claramente aquém das capacidades de um A320 Neo ou P-8A dedicado.

É necessário ver como a França resolve o desaparecimento do programa MAWS e como isso afetará as relações entre a França e a Alemanha dentro dos outros programas de defesa compartilhados.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias