Projeto de motor a hidrogênio para aviões regionais recebe $24,3 mi e apoio da British Airways

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Imagem: ZeroAvia

Impulsionando sua missão no sentido de entregar às companhias aéreas voos com zero-carbono e movidos a hidrogênio, a ZeroAvia anuncia hoje, 31 de março, que está lançando o programa de desenvolvimento de um powertrain (conjunto de potência) hidrogênio-elétrico de 2 MW para aeronaves comerciais regionais.

O lançamento do programa é apoiado por um novo aumento de capital de US$ 24,3 milhões, liderado pela Horizons Ventures, acompanhada por um novo investidor, a British Airways. Os investidores já participantes Breakthrough Energy Ventures, Ecosystem Integrity Fund, Summa Equity, Shell Ventures e SYSTEMIQ também participaram do financiamento.

Esta nova rodada de investimento acelera o desenvolvimento de motores elétricos a hidrogênio para aeronaves com mais de 50 assentos e apoia iniciativas adicionais de companhias aéreas comerciais para adotar o hidrogênio na aviação. O anúncio de hoje eleva o investimento privado total da empresa para mais de US$ 53 milhões e o financiamento total levantado desde o início para quase US$ 74 milhões.

Este financiamento mais recente segue o anúncio em dezembro de que o governo do Reino Unido – por meio do Departamento de Energia Empresarial e Estratégia Industrial (BEIS), do Aerospace Technology Institute (ATI) e do Innovate UK – concedeu um subsídio de £ 12,3 milhões (US$ 16,3 milhões) para uma aeronave revolucionária de 19 assentos movida a propulsão hidrogênio-elétrica que estará pronta para o mercado até 2023.

A ZeroAvia anunciou ao mesmo tempo sua rodada de financiamento de US$ 21,4 milhões, acelerando seu programa de desenvolvimento de um powertrain de 600 kW programado para entrada comercial em 2024.

Val Miftakhov, CEO e fundador da ZeroAvia, disse:

“Este novo financiamento, em conjunto com nossos outros marcos recentes, irá acelerar significativamente nosso caminho para soluções de emissão zero para aeronaves regionais maiores em escala comercial. Com muitas companhias aéreas fazendo fila e prontas para fazer a mudança para emissões zero, esperamos ver a adoção em larga escala dessa tecnologia. Somos extremamente gratos por nossos investidores que estão ajudando a acelerar nosso progresso e, em última análise, a adoção de voos com emissão zero pela indústria da aviação.”

A ZeroAvia espera atingir a comercialização de seu powertrain de 600kW já em 2024. Suas soluções de aviação a hidrogênio abordarão vários mercados, visando inicialmente um alcance de 500 milhas (800 km) em aeronaves de 10 a 20 assentos, usadas para transporte comercial de passageiros, entrega de pacotes, agricultura e outros.

Acelerado por esta nova injeção de capital, a ZeroAvia agora terá como meta entrar no segmento de aeronaves comerciais com mais de 50 assentos até 2026.

Patrick Poon, da Horizons Ventures, disse:

“Voar com combustível de aviação tem um custo ambiental e é vital encontrar uma alternativa para a indústria da aviação. Acreditamos que a ZeroAvia oferece uma solução real e prática para que o mercado de aviação avance em direção a opções mais limpas.”

O investimento também irá reforçar ainda mais a visão da empresa de fornecer energia a uma aeronave de corredor único de 100 assentos até 2030. As conquistas da ZeroAvia até o momento são os primeiros passos para realizar a transição de curto prazo de combustíveis fósseis para hidrogênio de emissão zero como a fonte primária para aviação comercial.

Sean Doyle, CEO da British Airways, disse:

“A tecnologia inovadora de emissões zero está avançando rapidamente. Apoiamos o desenvolvimento do hidrogênio como uma fonte de combustível alternativa porque acreditamos que ele tem o potencial de nos permitir atingir as emissões zero reais em rotas de curta distância até 2050. Há uma quantidade enorme de energia e entusiasmo em torno das possibilidades de um futuro de zero emissões para a aviação, e embora não haja uma solução única para este desafio, reconhecemos a necessidade de ação urgente para enfrentar o impacto que o voo tem atualmente em nosso planeta. Estamos fazendo progressos nossa jornada para o saldo zero.”

A ZeroAvia já havia concluído seu primeiro voo elétrico nos Estados Unidos em 2019, depois construiu o segundo protótipo para voador no Reino Unido e lá conduziu seu primeiro voo elétrico em junho de 2020. Em setembro de 2020, alcançou o primeiro voo elétrico a hidrogênio de uma aeronave de nível comercial.

Além disso, a empresa acaba de concluir uma simulação de solo do perfil de energia completo para seu próximo primeiro voo cross-country:

Informações da ZeroAvia

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias