Qantas já escolheu o avião para os futuros voos ultra-longos, o que falta agora?

Após uma avaliação detalhada do Boeing 777X e do Airbus A350, a Qantas selecionou o A350-1000 como a aeronave preferida para o projeto Sunrise. Talvez essa fosse uma das decisões mais difíceis, mas o que ainda é necessário para viabilizar os voos ultra-longos de uma vez?

Airbus A350-1000 Qantas

Em primeiro lugar, é necessária uma aprovação regulatória

O último dos três voos de pesquisa do Project Sunrise, de Nova Iorque para Sydney será realizado em 17 de dezembro (a data anterior – dia 16 – foi ajustada para se enquadrar na entrega do próximo 787-9). Depois de concluída, a Qantas terá quase 60 horas de experiência em ‘Sunrise Flying’, e milhares de dados sobre o bem-estar da tripulação e dos passageiros.

Os dados da tripulação serão usados ​​como parte das discussões finais com a Autoridade de Segurança da Aviação Civil da Austrália, para aprovar uma extensão dos limites operacionais atuais exigidos para esses serviços de longo curso. Com base em informações detalhadas já fornecidas pela Qantas em seu sistema de gerenciamento de risco de fadiga, a agência recomendou provisoriamente que não vê obstáculos regulatórios aos voos do Sunrise.

Também é necessário negociar com os sindicatos

As negociações industriais com a associação dos pilotos da Qantas (AIPA), continuam. As discussões visam fechar a última lacuna restante no caso de operações do Project Sunrise. 

A Qantas apresentou uma série de sugestões para a AIPA sobre como a lacuna pode ser preenchida, ao mesmo tempo em que oferece aumentos de salário anual de três por cento e oportunidades promocionais para seus pilotos de longo curso. As discussões se concentram em ganhos de produtividade e eficiência, incluindo a capacidade de usar os mesmos pilotos em suas aeronaves A350 Sunrise e na frota existente da companhia aérea de aviões Airbus A330.

Boeing 787-9 da Qantas com a pintura especial do seu centenário

Além de criar uma experiência nova para os clientes

O projeto da experiência do cliente para voos de até 21 horas continua, incluindo novas cabines para Primeira Classe, Business, Econômica Premium e Econômica. 

Os voos de pesquisa enfatizaram a importância do espaço dedicado ao alongamento e movimento dos passageiros da Econômica em particular, bem como os benefícios em potencial de redesenhar o serviço a bordo para mudar ativamente as pessoas para o fuso horário de destino.

Todos os temas acima ainda vão ser colocados num cronograma

Ainda há tempo até que a Airbus produza e entregue os 12 Airbus A350-1000 com os tanques de combustíveis-extra para o Projeto Sunrise. A fabricante concordou em estender o prazo para confirmar a agenda de entrega dos aviões para março de 2020.

Isso gera tempo adicional para negociar o acordo industrial, obter as aprovações e criar um novo serviço de bordo sem afetar a data de início planejada dos voos do Project Sunrise, na primeira metade do calendário 2023.

Um novo destino surgiu no radar da Qantas

Após definir o jato para o Projeto Sunrise, que terá voos ultra longos de até 21 horas, a Qantas colocou mais uma cidade na lista de destinos almejados: Frankfurt.

A confirmação foi dada pelo CEO da Qantas, Alan Joyce, ao jornal australiano Executive Traveller. Confirmando as intenções para as novas rotas, o executivo disse que “três destinos que só se tornaram possíveis com o projeto Sunrise: Londres, Paris e Frankfurt”.

Londres e Paris já tinham sido mencionadas anteriormente, juntamente com Rio de Janeiro e Nova Iorque. As cidades europeias chegaram a ser anunciadas como novos destinos da Qantas a partir de Perth na costa oeste da Austrália, porém apenas o voo para Londres foi efetivamente implementado, com o Boeing 787-9 Dreamliner.

No entanto, os voos partindo de Sydney, que fica muito mais distante, superarão facilmente as 17 horas do voo que sai de Perth. Para se ter uma ideia, a rota de Sydney para Frankfurt terá 19 horas e meia de voo. E isso só será possível com o A350-1000 modificado que a Qantas acaba de encomendar.

No passado, a empresa já voou para Frankfurt, a capital financeira da Alemanha, com o jumbo 747-400, que fazia escala em Cingapura. A rota foi suspensa em 2013 após um mega acordo com a Emirates para criar um hub de conexões com os Airbus A380 das companhias em Dubai, sendo assim, a empresa começou a vender os tíquetes com conexão na cidade árabe.

Ainda não existe data definida para iniciar os voos para Frankfurt ou tampouco os outros destinos do Projeto Sunrise, porém a primeira aeronave chega em 2021. Com o anúncio de Frankfurt, algumas pessoas começaram a questionar se 12 aeronaves seriam suficientes para atender todas as cinco cidades do projeto. Ainda haverá muitas novidades sobre esse projeto.

Projeto Sunrise

O Projeto Sunrise da Qantas tem como objetivo principal testar a viabilidade para a operação de voos regulares ultra-longos e diretos da costa leste australiana (saindo de Brisbane, Sydney e Melbourne) para Londres e Nova Iorque. O Rio de Janeiro também está na lista mas não é a prioridade inicial da empresa. Tratam-se de voos muito longos, com 19h, 20h e até 21h de duração.

Para tornar isso possível, já que nenhuma aeronave comercial atual tem tamanha capacidade, a empresa desafiou a Airbus e a Boeing a oferecerem um novo modelo que tornem viáveis estas rotas, seja no quesito técnico de alcance como capacidade mínima de passageiros, a fim de deixar o voo rentável.

Carlos Martins

Despertou a paixão pela aviação em 1999 em um show da Esquadrilha da Fumaça. Atualmente é Piloto Comercial, Despachante, Bacharel em Ciências Aeronáuticas, membro da AOPA e veterano da Western Michigan University #GoBroncos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.