Qantas confirma rota de seu próximo voo de ultra-longo alcance, em dezembro

Qantas Sunrise
Boeing 787-9 da Qantas. Divulgação / Qantas.

Apesar de estar se fazendo de difícil, ter rejeitado as primeiras propostas de Airbus e da Boeing para o avião de ultra-longo alcance e fazendo as pessoas pensarem que o Projeto Sunrise pudesse estar em risco, a Qantas confirmou na tarde de ontem, 19, que fará sim o terceiro voo de testes em 16 de dezembro.

Assim como nos anteriores, esse voo também terá o número QF7879 que, como sugere, será operado por um Boeing 787-9 como das demais vezes. No entanto, dessa vez não haverá quebra de recorde, já que ele será uma reedição da primeira rota do projeto, de Nova York para Sydney, um voo de pouco mais de 19 horas.

Apesar de ultra-longa, essa rota ainda perde para Londres-Sydney, executada na semana passada. São 8.646 milhas náuticas entre Nova Iorque e Sydney, contra 9.188 milhas náuticas, entre Londres e a cidade mais importante da Áustralia, segundo informações do GCMaps.

Projeto Sunrise

O Projeto Sunrise da Qantas tem como objetivo principal testar a viabilidade para a operação de voos regulares ultra-longos e diretos da costa leste australiana (saindo de Brisbane, Sydney e Melbourne) para Londres e Nova Iorque. O Rio de Janeiro também está na lista mas não é a prioridade inicial da empresa. Tratam-se de voos muito longos, com 19h, 20h e até 21h de duração.

Para tornar isso possível, já que nenhuma aeronave comercial atual tem tamanha capacidade, a empresa desafiou a Airbus e a Boeing a oferecerem um novo modelo que tornem viáveis estas rotas, seja no quesito técnico de alcance como capacidade mínima de passageiros, a fim de deixar o voo rentável.

Enquanto a Airbus trabalha no A350-1000ULR e a Boeing no 777X para atender esta demanda, a Qantas já quer começar a testar os efeitos destes futuros voos nas pessoas a bordo. A decisão da Qantas pelo modelo a ser usado nesses voos ultra-longos está prevista para esse ano.

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.