Qantas quer jato de 4 classes e que leve 300 passageiros em voos ultra longos

O CEO da Qantas, Alan Joyce, insistiu que quer jatos com capacidades para voos de ultra longa duração, como de Sydney para Nova Iorque e Londres, que levem o máximo de passageiros possível. A afirmação vem após a Qantas desafiar no ano passado a Airbus e a Boeing para construir tal aeronave.




Mas quantos passageiros seriam? O portal Australian Business Traveler revela! O jato teria entre 280 e 300 assentos, em quatro classes, que incluiria um novo design da primeira classe e com capacidade para voar por 17 mil quilômetros! E que aeronaves seriam capazes de voar tão longe e levando tantas pessoas?

A Airbus oferece o A350-900ULR. O modelo será utilizado pela Singapore Airlines no retorno do voo SQ21/22, que foi o voo mais longo do mundo com 18 horas de duração entre Cingapura e Nova Iorque (Newark). Na configuração da Singapore Airlines, voltada mais para o público executivo que domina esta rota – anteriormente utilizava o A340-500 configurado exclusivamente com 100 assentos da classe executiva – o A350ULR terá 162 assentos, sendo 68 na executiva e 94 na econômica premium, voando por quase 18 mil km! Um ótimo alcance, mas com muito menos passageiros do que a Qantas deseja.

Já a Boeing coloca na mesa o Boeing 777-8X, que deve levar entre 350 e 375 passageiros com alcance de 16.100km. “Nós sabemos que o avião pode ter esse alcance (da rota pretendida pela Qantas), só depende de quantos passageiros você quer levar, a quantidade de carga e o peso por passageiro incluindo as bagagens”, declarou Jim Freitas, Diretor Administrativo da Boeing.

Para efeito de comparação, o 787-9 Dreamliner da Qantas tem 236 assentos, sendo 42 na exeuctiva, 28 na econômica premium e 166 na econômica, tendo uma das configurações menos densas de todos Dreamliners do mundo. Levando menos passageiros e carga, a aeronave ten seu peso e seu consumo reduzidos, fazendo com que seja possível cumprir a rota atual do 787 entre Perth e Londres com 17 horas de voo, mas também com muito menos passageiros do que o fesejado.

A expectativa é que a Qantas tenha em mãos esta aeronave até 2022, um bom tempo para as duas fabricantes se adequarem, mas não será uma tarefa fácil. A Airbus teria que aumentar consideravelmente a quantidade de assentos no A350ULR, que pelo que fontes na Airbus afirmaram, poderia levar até 230 pessoas em configuração de classes econômica + executiva tradicional (não tão espaçosa e generosa como as da Singapore). No outro lado, a Boeing teria que reduzir o número de assentos também de maneira considerável para ganhar mais mil quilômetros de alcance.

Com toda certeza será uma disputa interessante. Mesmo que os voos não sejam os mais longos do mundo, será uma aeronave única e preparada para esta operação. Vale lembrar que o avião escolhido também deve voar entre Sydney e Rio de Janeiro, uma das rotas pretendidas pela Qantas quando a mesma desafiou as fabricantes a atender o seu pedido.

Carlos Martins

Despertou a paixão pela aviação em 1999 em um show da Esquadrilha da Fumaça. Atualmente é Piloto Comercial, Despachante, Bacharel em Ciências Aeronáuticas, membro da AOPA e veterano da Western Michigan University #GoBroncos