Qatar dá boas-vindas ao 53º A350, reafirmando posição de maior operadora do jato

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

A Qatar Airways encerrou 2020 com a entrega de seu 53º Airbus A350 no último dia do ano. Com isso, a companhia aérea nacional do Estado do Catar reafirma sua posição como a maior operadora de aeronaves Airbus A350 com 34 A350-900 e 19 A350-1000. 

A companhia aérea está utilizando totalmente sua frota de 53 aeronaves A350 para mais de 45 destinos na sua rede, incluindo Joanesburgo, Londres, Melbourne, Nova Iorque, Paris, São Paulo e Cingapura. O A350-1000 é equipado com o multipremiado assento da Classe Executiva da companhia aérea, Qsuite.

Enquanto o A350 torna-se a flagship da companhia aérea, o A380 segue parado. Devido ao impacto do COVID-19 na demanda de viagens, a companhia aérea suspendeu sua frota de Airbus A380, pois não considera ambientalmente justificável operar uma aeronave quadrimotora tão grande no mercado atual. 

O benchmark interno da companhia aérea comparou o A380 ao A350 em rotas de Doha a Guangzhou, Frankfurt, Londres, Melbourne, Nova Iorque, Paris e Sydney. Em um voo de ida típico, a companhia aérea descobriu que a aeronave A350 economizou no mínimo 16 toneladas de dióxido de carbono por hora em comparação com o A380. 

A análise descobriu que o A380 emitiu 80% mais CO2 por hora do que o A350 em cada uma dessas rotas. Nos casos de Melbourne e Nova Iorque, o A380 emitiu 95% mais CO2 por hora com o A350 economizando cerca de 20 toneladas de CO2 por hora. 

A transportadora nacional do Estado do Catar atualmente está voando a mais de 110 destinos com planos de aumentar para 129 até o final de março de 2021.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Airbus nega estar preparando um A321 com asas de nova geração

0
Declarações da Airbus nesta semana indicam que a fabricante europeia de aviões não está preparando (ou não está querendo revelar) novas asas.