Qatar recebe seu quarto A350-900 com pintura da Latam

AIB04GS msn282 caf 18/9/2019

A Qatar Airways recebeu nesta quarta-feira (25) o Airbus A350-900 com matrícula do Catar (A7-AQB, MSN 282)), mas pintura da Latam Airlines, sendo o quarto na frota de 36 aeronaves do tipo com essa característica. É sempre bom recordar que a empresa foi a lançadora mundial do A350-900/-1000 e é umas das suas maiores operadoras mundiais.

Os três primeiros voltarão ao Brasil

Conforme temos acompanhado e informado por aqui em primeiríssima mão, alguns dos Airbus A350 da Latam estão operando na Qatar Airways desde que o grupo latino-americano decidiu subarrendá-las há cerca de dois anos. Desde então, esses aviões vêm sendo empregados em rotas internacionais regulares da empresa árabe.

No início desse ano, a Latam confirmou que três desses A350-900 retornam à sua – dois em 2020 e um em 2021. O contrato de repasse das aeronaves era de 6 a 12 meses, mas foi estendido no ano passado em razão da alta do dólar e da queda na demanda. A repatriação ao longo dos próximos anos está associada a uma perspectiva de melhora no cenário econômico nacional.

Atualmente, a LATAM Brasil possui sete Airbus A350-900 em sua frota e ainda deve receber mais sete, incluindo a volta desses três que estão voando na Qatar Airways. Além destes, constam também oito pedidos para os A350 da série -1000.

A frota de A350 da Latam é composta pelos aviões:
– PR-XTA/B/C/D/E/H/I – voando atualmente na frota Latam
– PR-XTF/G/J – repassados à Qatar Airways, voltam ao BR entre 2020/21

O quarto não volta, segundo a Latam

A aeronave que foi entregue ontem, no entanto, não deverá ter o mesmo destino as predecessoras. Recentemente, a Latam entrou em contato com o AERO Insider News para informar que essa aeronave seguirá de posse da Qatar Airways, e que ela já não faz parte de sua frota.

Tela do FlightAware com a rota do voo de entrega

Confirmamos na lista de produção que a aeronave realmente consta com status “NTU” (“non-taken unit”), ou seja, a Latam teria desistido dela após o processo de pintura concluído e repassado o pedido à Qatar. A árabe, por sua vez, entendeu que não valeria a pena repintar a aeronave naquele momento e já a absorveu em sua frota mantendo as cores sul-americanas – afinal, quem já tem três aeronaves com essa pintura, pode ter quatro.

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.