Que final tiveram os três únicos Boeings 747-8 da British Airways?

Avião Boeing 747-8F British Airways World Cargo
Boeing 747-8F da British Airways World Cargo © Piotr Pasula

Com a recente notícia da aposentadoria do Boeing 747-400 na British Airways, muitas pessoas lembraram do histórico do Jumbo da companhia, mas poucos sabem que um modelo mais novo da Queen of The Skies já voou nas cores da empresa britânica.

A versão cargueira 747-8F do maior Jumbo já construído pela Boeing teve as cores da British Airways por um curto período de tempo.

A história começa nos anos 90, quando a British decidiu criar uma divisão cargueira. O objetivo era complementar a operação de carga aérea que utilizava os porões das suas aeronaves de passageiros.

Para isso foi criada a Global Supply Systems, uma joint-venture da companhia britânica com a Atlas Air. Os britânicos iriam entrar com os pilotos e a logística, e teriam a definição das rotas, enquanto os americanos iriam disponibilizar as aeronaves, assim como o treinamento, já que a Atlas é uma antiga operadora cargueira do 747.

De início foram três 747-400F que voavam com matrículas americanas, sendo que um deles, registrado como N495MC, tinha a pintura da British Airways, porém, complementada pelos dizeres World Cargo e com a cauda pintada com uma rosa. Ela foi idealizada pelo artista Pierce Casey, como parte do projeto de caudas artísticas da empresa, mostrando sua diversificação e globalização.

Avião Boeing 747-400F British Airways World Cargo
Boeing 747-400F da British Airways World Cargo © Konstantin von Wedelstaedt

Com a idade dos 747-400 chegando, a empresa optou por comprar três 747-8F novos, muito mais econômicos e com 16% a mais de capacidade de carga útil que o modelo antigo.

Traço 8, o último dos Jumbos

E assim chegaram os jatos, de matrículas G-GSSD, G-GSSE e G-GSSF. Eles faziam voos na Europa, Ásia e América do Norte, e nunca deram as caras no Brasil.

Porém, a alegria do moderno Jumbo britânico durou pouco: após formar o grupo IAG com a Iberia, a British Airways World Cargo foi extinta e se tornou a IAG Cargo, mas a nova divisão operava sem cargueiros, apenas se utilizando dos porões dos aviões de passageiros.

Com isso a Global Supply Systems foi extinta em 2014, apenas três anos depois de receber os novos aviões, que foram adquiridos pela Atlas Air.

Os Jumbos de matrículas G-GSSE e G-GSSF passaram a ser usados pela DHL em voos operados pela Polar Air Cargo, com os registros N857GT e N858GT, respectivamente. Já o G-GSSD virou N856GT na própria Atlas Air Cargo, que inclusive é a dona da Polar e, por isso, todos os 747 acabaram por continuar “juntos” mas com outras cores.

A British encerra este ano a história do Jumbo na companhia, sendo uma das poucas que operou quase todas as variantes do modelo, sendo a única exceção a -300. Foi nas cores da companhia que o avião ganhou o apelido “Queen of The Skies“, que em inglês significa Rainha dos Céus, em alusão a sua majestosidade e em referência à Rainha Elizabeth II.

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Boeings 757 e 767 poderão voar na Delta até que surja...

0
Com indecisão a frente sobre novos aviões de médio porte, a Delta continuará na sua filosofia de utilizar jatos mais antigos.