Quando Boeings da GOL, que foram da Varig, voaram no Marrocos e Quênia

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Um fato pouco conhecido de alguns entusiastas da aviação no Brasil é que a GOL já teve aviões emprestados para a África, os quais também foram da Varig. A informação foi relembrada numa publicação do comandante Fernando Pamplona em seu perfil no microblog Twitter.

A história contada pelo comandante Pamplona é curiosa porque as aeronaves envolvidas nessas “missões” não têm esse registro em seu histórico, em vários bancos de dados, como o PlaneSpotters e o Aeromuseu, por exemplo.

Os jatos em questão eram do modelo Boeing 737-700 e tinham prefixos PR-VBY e PR-VBX.

No caso do primeiro, os inventários apenas apontam que o VBY voou na Aloha Airlines antes de chegar na Varig em 2008, quando a empresa já tinha sido vendida para a Gol. Já o PR-VBX voou antes na Midway Airlines e na Air Senegal, e chegou na GOL como uma aeronave encomendada pela Varig. Passagens pela África, depois de chegarem no Brasil, não foram registradas.

Segundo Pamplona, as aeronaves pertenciam à GECAS, empresa de leasing da General Electric, que as aluga para empresas aéreas. Neste caso, a GOL não estaria precisando das aeronaves e elas foram repassadas para a Royal Air Maroc que, por sua vez, subalugou para a Kenya Airways.

Marana MZJ/KMZJ on 06-03-20

Hoje o PR-VBY está desmontado no Aeroporto de Marana, no estado americano do Arizona, conhecido cemitério de aviões. Na foto acima, é possível ver ele próximo de um Airbus A340 da Air Tahiti Nui e de um A318 da Avianca. Na imagem aparecem dois outros 737-700 que eram da GOL, o PR-GIM e o PR-VBZ, também desmontados.

Já o PR-VBX ainda está na frota da GOL, mas está estocado no Aeroporto do Galeão desde setembro passado, segundo dados do RadarBox. A GOL já deu vários indícios que irá aposentar o 737-700, o menor de seus aviões, e inclusive não terá o MAX 7 que seria o sucessor direto. Mas até hoje não existe uma data para retirada do jato, e a empresa até recebeu um “novo” do modelo durante a pandemia:

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Airbus vende 56 aviões para a Índia e 40 deles serão...

0
É o primeiro programa aeroespacial 'Make in India' no setor privado, envolvendo o desenvolvimento de um ecossistema industrial completo.