Quantos Boeings 737 que foram da Varig ainda voam na GOL?

O VBZ já deixou a frota da GOL

Em 28 de março de 2007, a aviação brasileira presenciou o anúncio de uma das suas mais importantes transações comerciais de sua história, quando a GOL adquiriu a VARIG. O negócio, envolto de múltiplos sentimentos e opiniões, uniu uma empresa jovem e com energia para democratizar o transporte aéreo no Brasil a outra tradicional, já cambaleante, mas com uma bagagem incrível, de episódios de glória e polêmica.

A fascinante história do encontro dessas duas culturas tão distintas é assunto para uma grande matéria histórica no futuro. Enquanto isso, nessa matéria vamos olhar como está a frota da GOL nesse momento e ver se ainda há aviões remanescentes da época da VARIG.

Fizemos um levantamento com base em informações do Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB), confrontamos com bases históricas e sistemas de rastreamento de voos para assegurar a acuracidade do levantamento. Encontramos algumas coisas interessantes, que você vê na tabela abaixo.

14 ex-VARIG na frota

Em primeiro lugar, observe que quase todos os 14 Boeing 737 listados acima, sendo cinco 737-800 e outros nove 737-700, tem a matrícula PR-Vxx. Tipicamente, esse é o padrão que a VARIG usava. Isso facilitou na análise.

No entanto, note que dois deles (PR-GIU e PR-GOQ) têm matrícula da GOL, mas o primeiro foi encomendado originalmente pela VARIG (embora nunca tenha voado com suas cores), enquanto que o segundo foi entregue primeiro para a GOL, depois passou para a VARIG e voltou, por fim, à frota laranja. O mesmo que ocorreu com o PR-GOQ, também aconteceu com o PR-VBL e PR-VBQ, ou seja, chegaram primeiro para a GOL, depois foram para a VARIG e então voltaram.

Por sua vez, os aviões com a observação NTU (not taken unit) referem-se a encomendas originais da VARIG, mas que nunca vieram a operar em sua frota, mas foram incorporadas diretamente à GOL. Todas as demais, que têm as datas, são as que chegaram a compor a frota da VARIG e ostentar sua pintura.

Tendência

Outra informação interessante desse levantamento é que todos esses aviões estão ativos na frota, mas os três mais antigos ainda estão na pintura antiga. Isso pode indicar que eles estão na lista dos próximos que vão embora, já que são aviões com mais de 20 anos, dos mais antigos da frota.

Essa lista considera apenas as aeronaves ativas, outras de mesma característica já foram embora e a tendência para os próximos anos é que essa lista esteja cada menor, na medida em novas aeronaves chegam.

Também existe um plano já divulgado anteriormente pela empresa de reduzir a frota de 737-700, que já estão ficando antigos (têm uma idade média de 16,5 anos), falamos sobre isso numa matéria anterior. Se esse plano seguir adiante, apenas nessa lista são nove aeronaves da série 700.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias