Queda do A320: encontrado hoje gravador de voz da aeronave, o que vem a seguir?

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Seis dias após a queda do Airbus A320 da Pakistan International Airlines (PIA), autoridades que trabalham no local do acidente anunciaram hoje que o gravador de voz da aeronave foi encontrado.

BEA CVR Gravador de Dados de Voz
Investigador mostra o gravador de voz – Imagem: BEA

Segundo publicação do órgão de investigação BEA (sigla em francês para Gabinete de Inquérito e Análise para a Segurança da Aviação Civil), o equipamento que grava todos os sons da cabine da aeronave, o chamado CVR (Cockpit Voice Recorder, ou Gravador de Voz do Cockpit), foi finalmente achado sob os escombros do acidente nessa quinta-feira, 28 de maio.

Inicialmente, em conferência de imprensa logo no dia posterior à queda ocorrida em 22 de maio, a Autoridade de Aviação Civil (CAA) do Paquistão havia anunciado que tanto o gravador de dados (FDR – Flight Data Recorder) quanto o CVR tinham sido encontrados.

Três dias depois, entretanto, quando os investigadores franceses do BEA chegaram ao país para integrar os trabalhos de investigação, foi constatado que o FDR e apenas a carcaça do CVR foram achados, e não o CVR propriamente dito.

A investigação conta com os membros do BEA porque o avião acidentado, o A320 de matrícula AP-BLD, é fabricado pela francesa Airbus. Como de praxe, normalmente participam das investigações membros dos órgãos do país onde ocorreu o acidente e do país de onde vem o projeto da aeronave.

Com os dois equipamentos de gravação em mãos, as autoridades podem agora avaliar se ambas as “caixas pretas” preservaram os dados registrados até o acidente, permitindo ter mais clareza sobre os acontecimentos que levaram à estranha queda em Karachi.

O que se sabe até agora é que os fatos incomuns listados a seguir, entre vários outros, aconteceram com o voo na chegada ao destino:

  • Primeiramente, o Airbus A320 se aproximou de seu pouso em uma altura superior à correta, fazendo uma descida mais íngreme do que o padrão, conforme mostraram os registros de rastreamento de voos;
  • Depois, a primeira tentativa de pouso ocorreu sem o abaixamento dos trens de pouso, com a aeronave raspando seus motores na pista e arremetendo, conforme mostraram as imagens gravadas na inspeção de pista após o acidente;
  • Em seguida, a tripulação não voltou imediatamente para uma segunda tentativa de pouso, demorando em torno de 15 minutos entre a arremetida e a queda, tendo inclusive o controlador de voo questionado os pilotos sobre a dificuldade que tinham em manter a altitude da aeronave durante este tempo;
  • Por fim, quando o A320 aproximava-se para sua segunda tentativa de pouso, a tripulação declarou emergência pela perda de ambos os motores, e a aeronave caiu em um bairro próximo à cabeceira da pista, com o trem de pouso baixado conforme se viu nos vídeos da queda, e com seus motores em silêncio conforme relataram testemunhas.

Entre as muitas perguntas que devem ser analisadas pelo BEA e demais autoridades envolvidas na investigação, devem estar algumas como:

  • Por que não houve uma arremetida na primeira aproximação fora do padrão?
  • Os pilotos sabiam que o trem de pouso não estava baixado? Se sabiam, por que não avisaram ao controle de voo para que os serviços de emergência se preparassem?
  • Teriam os pilotos perdido a atenção por conta da aproximação fora do padrão e não percebido os avisos de que o trem de pouso não estava baixado?
  • Teriam os pilotos percebido que os motores atingiram a pista?
  • Se já havia problemas com a potência dos motores nos minutos de voo após a arremetida, por que não houve uma tentativa mais imediata de pouso antes que a situação se deteriorasse?

Os dados dos gravadores de voz e dados da aeronave devem responder ou fornecer indícios para as respostas dessas e de outras perguntas. Mas o mais importante é que essa investigação deve, como é o objetivo das investigações, determinar toda a sequência de fatores que deram errado nesse acidente, para que se responda aos seguintes pontos:

  • Havia a possibilidade de se prever que cada falha aconteceria?
  • Quais ações a serem tomadas para se evitar que aconteça de novo?

O aprendizado dessa investigação deve ser muito rico para a segurança da aviação. Acompanharemos e traremos atualizações à medida que novos fatos relevantes surgirem.

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias