Início Empresas Aéreas Quem são os verdadeiros donos dos aviões das companhias aéreas brasileiras?

Quem são os verdadeiros donos dos aviões das companhias aéreas brasileiras?

EXCLUSIVO – Nem sempre a pintura que está num avião indica quem é o dono dele, confira um levantamento inédito sobre os donos da frota da aviação comercial brasileira.

Frota Donos

Como abordamos aqui recentemente, o leasing aeronáutico é o arrendamento ou “aluguel” de aeronaves por um período considerável tempo, suportado por um contrato específico. Trata-se de um instrumento financeiro largamente utilizado entre as empresas aéreas, pois permite que elas estruturem melhor seu fluxo de caixa, sem “travar” recursos, gastar milhões numa compra antecipada ou arcar com a depreciação.

Durante o período do contrato, a aeronave pertence a uma empresa de leasing, conhecida por lessor, mas toda a operação e manutenção fica a cargo da empresa aérea contratante. A cada mês, uma parcela do leasing deve ser pago pela empresa aérea ao dono do avião e, numa situação de inadimplemento, o último pode reaver o ativo através das vias legais – como aconteceu no caso da Avianca Brasil, quando o lessor entrou na justiça para retomar as aeronaves que não estavam sendo pagas.

Empresas podem ter aeronaves próprias

Embora operar com aeronaves arrendadas seja uma modalidade comum, nada impede que uma empresa aérea adquira uma aeronave diretamente. Em muitos casos, a compra ocorre ao final do contrato de leasing, quando o lessor (financeira ou banco) oferece a aeronave para a empresa que a opera. Após análise considerando uma série de prerrogativas financeiras que não vamos detalhar nessa matéria, a compra é feita.

O balanço que fizemos utiliza dados da ANAC e do CH-Aviation, e mostra exatamente este panorama: quantas aeronaves comerciais brasileiras pertecem à lessores e quantas são efetivamente das companhias aéreas?

Na análise dos donos, é importante saber que…

Vale lembrar que muitas empresas aéreas não registram diretamente os seus aviões próprios, fazendo isto através de trustees, que são empresas de propósito específico, que administram bens de uma terceira pessoa jurídica ou física. Este tipo de empresa existe para facilitar a importação, gestão, venda e exportação do avião.

Nos dados abaixo, sempre que o avião estava em nome de um trustee, consideramos que ele pertence, na realidade, à companhia aérea. Outro ponto a ser considerado, é que os aviões que já estão próximos do proceso de entrega nas fábricas da Airbus, Boeing ou Embraer, também constam na lista de ativos.

Azul Linhas Aéreas Brasileiras

A companhia tem uma frota jovem, com média de 6,1 anos de idade, operando hoje com 130 aviões (excluindo o par de Pilatus PC-12, que são aviões de suporte). Todos os aviões ativos na frota pertencem à lessores, ou seja, a Azul não é dona de nenhuma das aeronaves que opera.

Outro dado interessante é que alguns modelos pertencem totalmente à uma empresa de leasing, como é o caso dos A330-900neo, todos da Avolon, enquanto que outros modelos podem ter múltiplos lessores. Veja abaixo quem mais arrenda aviões para a Azul:

donos

LATAM Airlines Brasil

Tem uma frota com média de idade de 9,1 anos (a média na divisão chilena é de 5,8 anos). No Brasil, a Latam são 156 aviões ativos e, atualmente, a companhia é dona da maioria de suas aeronaves. Um exemplo disso é a frota de Boeings 767, onde os 13 jatos pertencem à empresa.

Dos 37% da frota (59 aviões) que pertencem a lessores, a distribuição de quem mais arrenda aeronaves à Latam Brasil está posta da seguinte forma:

donos

GOL Linhas Aéreas Inteligentes

A primeira low-cost brasileira possui hoje 137 aviões na sua frota, considerando aeronaves ativas ou temporariamente paradas, como os Boeing 737 MAX. Sua média de idade da frota é a mais antiga do Brasil, com 9,9 anos.

Do total, apenas 16 aeronaves são próprias, restando 89% da frota nas mãos de lessores. Inclusive, um fato interessante é que a Gol é a que conta com a maior carteira de lessores: 28 ao todo.

Outro ponto que chama atenção é que a GOL opera alguns aviões da Transavia, os quais vieram para substituir os 737 MAX. Estes 737-800 são alugados diretamente da companhia aérea holandesa, num contrato que chamamos de sub-leasing / dry-leasing.

A distribuição dos principais lessores dos aviões da Gol está assim:

Os maiores lessores

737 MAX GECAS donos
GECAS da General Eletric lidera o mercado brasileiro

Com 42 aeronaves brasileiras em seu portifólio, a GECAS é o maior lessor no Brasil. Apesar de não ter contratos com a Latam, ela conseguiu ter a maioria do mercado. Vale lembrar que a GECAS é a General Eletric Capital Aviation Services, subsidiária da fabricante de motores aeronáuticos (e tantos outros eletrônicos e motores), a GE.

Na sequência estão a irlandesa AerCap e o gigante banco Wells Fargo dos EUA com 37 aviões cada. Não é à toa que estes estão na liderança: a AerCap é a maior empresa de leasing operacional do mundo, e o Wells Fargo é o quarto maior banco do mundo.

Em seguida vem a DAE – Dubai Aerospace Enterprise, com 29 aviões. Em quinto lugar estão a irlandesa Avolon e o ICBC Aviation Leasing da China. Estas duas possuem contrato com as três empresas brasileiras.

Outro fato interessante encontra-se na questão dos donos irlandeses, já que a Irlanda tem taxas alíquotas de imposto reduzidas para a aquisição, importação e exportação de aeronaves e acabou virando um paraíso-fiscal para os lessores.

Para finalizar, novamente lembramos que ter mais ou menos aviões próprios não faz uma empresa melhor ou mais sólida do que a outra, são apenas modelos de negócios diferentes de acordo com a estratégia financeira, operacional e a necessidade de cada um.

Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagens pela Avianca Brasil e Azul Linhas Aéreas. #GoBroncos #GoBeach #2A