Início Aeroportos Conheça os aeroportos menos e mais seguros do mundo contra a COVID-19

Conheça os aeroportos menos e mais seguros do mundo contra a COVID-19

O Safe Travel Barometer, banco de dados global sobre protocolos de saúde e segurança contra COVID-19, divulgou neste mês de novembro a atualização do ranking  Safe Travel Score para mais de 400 aeroportos em todo o mundo. A iniciativa foi criada durante a pandemia de COVID-19 para analisar os protocolos de segurança no setor aéreo em todo o mundo.

Terminal de Passageiros do Aeroporto Paine Field – Imagem: ECTran71 / CC BY-SA 4.0, via Wikimedia Commons

Menos Seguros

De acordo com o ranking, três aeroportos tiveram a pior nota na classificação geral em relação a iniciativas de prevenção a contaminação com o novo coronavírus. São eles o Aeroporto de Paine Field, no estado de Washington, Estados Unidos; O Aeroporto Karlsruhe Baden- Baden, na Alemanha; e o Aeroporto Internacional Jackson-Medgar Wiley Evers, no Estado do Mississipi, também nos Estados Unidos.

Os terminais tiveram pontuação inferior a 2 no levantamento. As notas variam entre 0 (menos seguro) e 5 (mais seguro).

O  Safe Travel Score  (Pontuação de Viagem Segura ) é uma classificação pioneira no setor sobre segurança no combate à COVID-19. É alimentada com dados fornecidos por mais de 1.900 empresas do setor aéreo e pela análise de 50 parâmetros e informações de chegada de viajantes em mais de 80 localidades em todo o mundo.

Para aeroportos, o levantamento é baseado em uma auditoria independente de 29 medidas de saúde e segurança do passageiro, como uso de máscaras faciais, serviços sem interação pessoal, atendimento digital, entre outros.

O estudo também avalia a experiência geral do viajante a partir de medidas anunciadas pelas administrações aeroportuárias, autoridades governamentais e regulatórias para aliviar a ansiedade e aumentar a confiança do usuário.

Mais Seguros

Aeroporto de Dubai, um dos mais seguros no mundo contra a COVID-19

De acordo com os dados coletados em outubro de 2020, o Aeroporto Internacional de Abu Dhabi (AUH) e o Aeroporto Internacional de Dubai (DXB) lideraram a classificação global de aeroportos com uma  Pontuação de Viagem Segura de 4.4 pontos.

Os aeroportos dos Emirados Árabes Unidos tomaram várias medidas proativas, incluindo a implantação de medidas que evitam o contato físico direto entre passageiros e funcionários. Isso inclui quiosques de check-in baseados em sensores e sistemas de imigração por biometria.

Em todo o mundo, os aeroportos que mais se destacaram no ranking implementaram medidas locais para aumentar a segurança contra a doença. Entre os 424 aeroportos avaliados em todo o planeta, 63 (15%) tiveram notas acima de 4. Outros aeroportos que também tiveram avaliação 4.4 foram o Hamad International (DOH), no Catar, o Heathrow, de Londres (LHR), e o Aeroporto Changi, de Cingapura (SIN).

Com nota 4.3 estão empatados os aeroportos de Atenas (ATH), na Grécia, Boston-Logan (BOS), nos EUA, o Aeroporto Internacional de Pequim (PEK), na China, o Aeroporto Internacional Chhatrapati Shivaji (BOM), na Índia, e o Aeroporto Internacional Ben-Gurion (TLV), em Israel.

De acordo com Virendra Jain, cofundadora e CEO da Safe Travel Barometer, os aeroportos de todo o mundo ainda estão em fase de adaptação para a retomada do setor aéreo.

“Ainda estamos nos primeiros dias de recuperação das viagens e os aeroportos continuam sua transformação em uma passagem literalmente segura para milhões de viajantes. Ao adicionar novas camadas de segurança, conveniência e iniciativas de experiência ao já complexo quebra-cabeça logístico, os aeroportos estão elevando o padrão para outras categorias da indústria de viagens”, disse Jain, em informe à imprensa.

Brasil

No Brasil, dois aeroportos foram avaliados pelo Safe Travel Barometer: o RioGaleão, no Rio de Janeiro, e o GRUAirport, em São Paulo.

O terminal carioca foi o mais bem posicionado, com nota geral 3.9, considerado pela auditoria como “Seguro, mas com espaço para melhorias”. O Aeroporto recebeu um alerta por não testar passageiros em massa na chegada ao país.

O aeroporto paulista obteve pontuação 3.1, o que o coloca também sob uma classificação considerada segura, mas que necessita de avanços. O GRU Airport obteve boa avaliação na utilização de máscaras por funcionários e passageiros, mas ainda pode avançar no uso de tecnologias para limitar o contato pessoal no check-in e no despacho de bagagens. Embora o aeroporto ofereça dispositivos de atendimento autônomo, a adesão pelos passageiros foi considerada insatisfatória.

Você pode consultar o ranking completo da Safe Travel Barometer clicando aqui.

Sair da versão mobile