Red Bull Air Race tem corrida decidida por apenas 0s115

Sabe quando tudo parece perdido? Era mais ou menos esta a sensação do tcheco Martin Sonka depois do treino classificatório de sábado, 25, para a quinta etapa do Red Bull Air Race, o mundial de corridas aéreas. É que Sonka foi incrivelmente mal no circuito montado sobre as águas de Kazan, na Rússia: terminou em antepenúltimo lugar. Mas o que tcheco fez no dia seguinte?

Red Bull Air Race Martin Sonka Kazan Rússia

Martin Sonka na Rússia – Imagem: Red Bull Air Race




Em vez de tomar esta corrida como perdida, o piloto trabalhou pesado com a equipe para encontrar um melhor ajuste para a aeronave e fazer um papel melhor na corrida deste domingo, 26. Resultado: logo na primeira bateria eliminatória, Martin Sonka já foi o mais veloz. E a partir daí não houve quem segurasse o tcheco.

Na final, o cara a ser batido era o norte-americano Michael Goulian, que registrou sua melhor volta em 52s238. Os circuitos do Red Bull Air Race são divididos em três parciais e, na primeira delas, Sonka foi pior do que Goulian. Nas outras duas, acabou superando o adversário, mas mesmo assim a vantagem final foi mínima.

Red Bull Air Race Michael Goulian Kazan Rússia

Michael Goulian na Rússia – Imagem: Red Bull Air Race

Martin Sonka terminou com o tempo de 52s123. Apenas 0s115 mais rápido, mas o suficiente pra vencer a prova.

“Foi uma das corridas mais difíceis da minha vida, porque nós estávamos sofrendo muito aqui”, contou Sonka. “Nada funcionou na classificação. Então, foi um grande trabalho em equipe pra fazer acontecer hoje. A sensação é indescritível. Porque quando eu vejo todo o trabalho que foi feito pra que conquistássemos este resultado, o sentimento é ainda melhor”.

Goulian segue líder do campeonato, com 55 pontos, mas vê uma perigosa aproximação de Sonka, que agora soma 49 pontos e está em segundo lugar. Próxima etapa: Wiener Neustadt, na Áustria, nos dias 15 e 16 de setembro.

 
Informações pela Assessoria de Imprensa da Red Bull Air Race.
 

Murilo Basseto

Formado em Engenharia, foi um dos líderes do Urubus Aerodesign da Unicamp e um dos responsáveis por alçar o grupo à elite mundial da engenharia aeronáutica universitária. Atualmente é Editor-Chefe do AEROIN.