Restrições da América Latina à aviação na pandemia precisam de solução, apela ACI-LAC

Imagem ilustrativa: Airbus A320 da LATAM Brasil

O Conselho Internacional de Aeroportos para América Latina e Caribe (ACI-LAC) expressa a sua preocupação e faz um apelo aos governos da região sobre as restrições operacionais em vigor em alguns países, a fim de buscar soluções para continuar a promover a recuperação da indústria aérea.

Desde o início da pandemia, os aeroportos e as companhias aéreas implementaram com sucesso todos os protocolos e recomendações emitidos pela Organização da Aviação Civil Internacional (OACI), a Organização Mundial de Saúde (OMS) e os Centros de Controle de Doenças nos Estados Unidos (CDC) e na Europa (ECDC), para manterem-se seguros e eficientes. Até este momento, o transporte aéreo tem demonstrado não ser um vetor de transmissão e sua principal prioridade continua a ser garantir a segurança e a saúde dos seus usuários.

Mesmo assim, as restrições operacionais em alguns países da região continuam a limitar a recuperação progressiva do setor. Medidas como a restrição do número de operações por hora ou número de passageiros por dia reduzem a oferta e dificultam a recuperação do transporte aéreo.

Além disso, alguns países impuseram limites ao aumento das operações aéreas para assegurar a distância física entre passageiros dentro dos terminais aeroportuários. Infelizmente estas medidas estão reprimindo a recuperação do transporte aéreo, apesar de os protocolos e recomendações das organizações acima mencionadas contemplarem estas realidades operacionais.

O ACI-LAC demonstra preocupação e pede apoio aos governos da região para eliminar medidas como o fechamento de fronteiras ou a imposição de restrições operacionais, principalmente porque não existe uma relação direta entre estas medidas e o avanço da pandemia.

A indústria aeronáutica na nossa região é fundamental para o desenvolvimento econômico e social. A experiência na nossa região e em todo o mundo mostra que existe um claro desejo de viajar, por isso, é essencial manter a conectividade entre países e em nível doméstico.

Segundo o FMI, a contração econômica na América Latina e no Caribe em 2020 foi a mais acentuada do mundo, com uma queda de 7%. Quanto mais tempo durarem estas restrições, mais difícil será a recuperação econômica.

Embora muitos países tenham feito progressos significativos na recuperação do setor durante 2021, espera-se que o retorno do mercado interno se dê entre 2022 e 2023, enquanto que a estimativa é a de que o mercado internacional se recuperará até 2024.

A recuperação do setor necessita do apoio fundamental dos governos, promovendo iniciativas como a implementação de certificados digitais (e em papel) para a apresentação de testes negativos e diretrizes de vacinação, reconhecidas internacionalmente, bem como a harmonização urgente das medidas para impulsionar a indústria aeronáutica.

Informações do ACI-LAC

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Com 459 assentos, Airbus entrega o mais denso de todos os...

0
Apertado é o sentimento que alguns passageiros podem sentir no novo Airbus A330neo da Cebu Pacific, que é o mais denso já feito.