Revolta após empresa aérea expulsar do avião um rapaz deficiente

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Uma família que tentava voar de Chicago para Los Angeles na segunda-feira (8) disse ter sido discriminada porque seu filho é deficiente e não pode usar máscara por motivos médicos. O caso causou irritação e a família Fleming acredita que a Southwest Airlines precisa estar ciente de como suas políticas afetam seus passageiros mais vulneráveis.

Bryan Fleming, 22, tem mentalidade de uma criança devido à esclerose múltipla. A família disse que ele está vacinado e tem cartas de dois médicos para dispensar o uso da máscara. Segundo a Newsweek, eles seguiam para a Califórnia a fim de visitar um amigo do rapaz, que também tem esclerose múltipla e acabou de passar por uma cirurgia.

Nem com atestado

“Recebemos cartas de dois médicos, um teste COVID negativo, temos a prova de suas duas vacinas COVID”, disse a mãe Cheri Fleming. “Eles [a empresa] tinham tudo o que precisavam e ainda não foi bom o suficiente”.

A mãe ainda disse que antecipou os problemas e ligou para a Southwest para se certificar de que eles tinham tudo de que precisariam para que Bryan pudesse ser acomodado. Os representantes do serviço ao cliente disseram-lhes que trouxessem um atestado médico e tudo ficaria bem.

A Sra. Fleming disse que Bryan não usou máscara em nenhum momento no aeroporto, mas que ninguém disse nada a eles até que eles estivessem sentados no avião. Foi quando eles foram convidados a sair.

Especialistas jurídicos dizem que a Lei não é assim punitiva e tudo poderia ser tão simplesmente resolvido quanto colocando a família em uma área socialmente distanciada.

A família Fleming, porém, não sente que a Southwest tentou ajudá-los. “Eles pediram para sairmos assim que entramos no voo, havia 40 assentos vazios”, disse a Sra. Fleming.

Posição da empresa

A regra federal sobre máscaras em aviões tem uma exceção limitada para pessoas com deficiência. A Southwest disse que a partir de 14 de março, pessoas com deficiência que não podem usar máscara precisarão solicitar uma isenção especial. Então, eles podem começar a voar sem máscara a partir de 21 de março, se aprovados.

A Southwest Airlines enviou as seguintes declarações à imprensa.

“Embora lamentemos qualquer inconveniente que esta família tenha experimentado durante a viagem, a lei federal exige que cada pessoa, com 2 anos de idade ou mais, use uma máscara em todos os momentos durante o voo, inclusive durante o embarque e desembarque. Recusar-se a usar máscara é uma violação da lei federal e pode resultar em recusa de embarque, retirada da aeronave e / ou penalidades de acordo com a lei federal”.

“Nossos registros indicam que o cliente foi lembrado de usar uma máscara. Como gesto de apoio, os Funcionários da Southwest trabalharam com o Cliente, mas, em última análise, como último recurso, tiveram que negar a viagem antes da partida quando o Cliente não pôde cumprir a regra da máscara”.

De acordo com o mandato federal, agora há uma exceção limitada para tipos específicos de deficiência que impedem uma pessoa de usar uma máscara, e a Southwest anunciou recentemente o processo da companhia aérea para avaliar as solicitações dos Clientes para viajar com isenção. A partir de 14 de março de 2021, a Southwest Airlines considerará os pedidos de isenções para passageiros com deficiência e estiverem viajando a partir de 21 de março de 2021. No entanto, esta isenção exige que um pedido e documentação sejam apresentados antes da viagem (um cliente não pode simplesmente aparecer no aeroporto com a documentação)”.

“Como sempre, apreciamos o espírito de conformidade com o mandato federal e a cooperação contínua entre nossos clientes e funcionários, pois trabalhamos coletivamente para apoiar o conforto e o bem-estar de todos os que viajam conosco”.

“Obrigado por nos permitir fornecer esses detalhes. A equipe da Southwest trabalha diligentemente todos os dias para servir nossos clientes, ao mesmo tempo em que oferece hospitalidade de classe mundial – o que é especialmente importante durante a pandemia em andamento”.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias