Rio de Janeiro aposta em pacote de incentivos para Itapemirim criar hub no Galeão

Reprodução apenas mediante autorização

A chegada da Itapemirim Transportes Aéreos ao RIOgaleão – Aeroporto Internacional Tom Jobim é fruto de um pacote de incentivos públicos-privados, desenhado pela Secretaria de Estado de Turismo, a Riotur e RIOgaleão, disseram autoridades e administradores do terminal, durante o voo inaugural da empresa.

A concessionária do RIOgaleão considera que os Programas de Incentivos são um diferencial importante na atração das empresas de transporte de passageiros e de cargas. Desde 2014, incentivos do aeroporto carioca trouxeram para o Brasil as companhias low costs internacionais Norwegian, Flybondi e SKY, além de viabilizar a atração das cias aéreas Air Canada, Edelweiss, Royal Air Maroc, Condor, Amaszonas e Paranair.

Com expectativa de operar 285 voos semanais até abril de 2022, a ITA encontrou no RIOgaleão um cenário que lhe permite estabelecer um dos seus principais pontos de conexão no país.

Um dos temas que conta a favor da decisão é a redução de 13% para 7% da alíquota de ICMS do querosene de aviação (QAV) comercializado nos Centros Internacionais de Conexão (HUB). A redução prevista em lei aprovada esse ano significa mais competitividade do Rio de Janeiro na atração das cias aéreas, uma vez que o combustível representa cerca de 40% do custo operacional dessas empresas.

Com suas dimensões, capacidade de expansão e operando como um hub, o Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro sempre serviu como motor para a economia da região, contribuindo não só para a indústria do turismo, mas também para vários outros segmentos da economia da cidade, do estado e do país.

Nos últimos anos, no entanto, o aeroporto se esforça para atrair mais conectividade e os voos perdidos desde antes da pandemia.

Com informações do RIOgaleão (adaptado)

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Associações e empresas aéreas do Brasil reúnem-se presencialmente com o DECEA

0
Desde que começou a pandemia em 2020, foi a primeira vez em que o encontro foi presencial e reuniu a comunidade aeronáutica.