RIOgaleão realiza simulado de produtos perigosos no pátio.

O RIOgaleão realizou um simulado de movimentação de produtos perigosos, no pátio das aeronaves, para testar a logística operacional do aeroporto e a integração dos times em situações de alta periculosidade.

Quarenta e cinco profissionais – tanto do RIOgaleão, quanto de órgãos públicos de saúde e segurança – foram mobilizados para o simulado, que durou cerca de duas horas. No início do ano, o RIOgaleão já havia capacitado os bombeiros que atuam no Aeroporto Internacional Tom Jobim para combater ocorrências de emergências radioativas (cargas perigosas). Com estes treinamentos, o aeroporto passou a ser o único do país a ter equipe habilitada para enfrentar situações que envolvam acidentes radiológicos.




O simulado com carga perigosa, promovido pela concessionária, foi o primeiro em que todos os parceiros da operação aeroportuária estiveram envolvidos e não somente a equipe de emergência da concessionária. O propósito do exercício foi gerir a integração e avaliar a atuação de todos os grupos responsáveis pelo atendimento a emergência do aeroporto, que recebe um alto fluxo de circulação de cargas dessa natureza. Uma equipe da companhia aérea American Airlines fez parte da ação e foi responsável por simular o manuseio de uma carga perigosa que foi derramada, no pátio, no percurso que seria feito em direção à aeronave. O incidente pode ocorrer no dia a dia e representar um risco à operação do aeroporto ou ainda ferir pessoas que estiverem de posse da carga.

Participaram do simulado representantes do Centro de Operações a Emergência, do serviço médico e remoção de vítima, dos bombeiros, da segurança e da área de sustentabilidade do RIOgaleão. Foram, ainda, convidados como observadores agentes de órgãos públicos do Hospital da Força Aérea do Galeão (HFAG), da Cruz Vermelha e do Destacamento de Controle do Espaço Aéreo/Galeão (DTCEA-GL). Já entre os participantes que atuaram na prática, durante o simulado, houve a presença da companhia aérea American Airlines, do Grupamento de Operações com Produtos Perigosos (GOPP) e Centro de Operações GSE/ SAMU.

Nos próximos meses, outras turmas serão formadas pelo RIOgaleão para que mais de 200 funcionários estejam aptos a agir corretamente em um cenário crítico de acidente com cargas perigosas que possa ocorrer no aeroporto.

 
Informações pela Assessoria de Imprensa da RIOgaleão.
 

Veja outras histórias

Aviões Embraer E175 E190 KLM Cityhopper

Greenpeace ameaça ir à Justiça para impedir ajuda do governo à...

0
O Greenpeance ameaça ir a justiça caso o governo holandês prossiga com o programa de ajuda financeira para a companhia aérea KLM.