Início Indústria Aeronáutica Rolls-Royce vai fornecer a propulsão à aeronave elétrica da Vertical Aerospace

Rolls-Royce vai fornecer a propulsão à aeronave elétrica da Vertical Aerospace

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

A tecnologia da Rolls-Royce (RR) foi escolhida para fornecer energia à aeronave principal da Vertical Aerospace Mobilidade Aérea Urbana (UAM). Um sistema de energia elétrica RR será integrado ao veículo totalmente elétrico de decolagem e pouso vertical (eVTOL), que transportará até quatro passageiros por 180 quilômetros em velocidades de cruzeiro de mais de 300 km/h. A ideia é que o produto seja certificado em 2024.

Colaboração

A Vertical Aerospace é uma colaboração fundamental para a Rolls-Royce Electrical, pois marca seu primeiro acordo comercial no mercado de UAM e se baseia em acordos anteriores para trabalhar com parceiros em programas de demonstração. A Rolls-Royce projetará a arquitetura de todo o sistema de propulsão elétrica, que inclui as mais recentes unidades de propulsão da classe 100kW, a distribuição de energia e o sistema de monitoramento que apoiará as operações.

Cerca de 150 engenheiros da Rolls-Royce baseados em países como Hungria, Cingapura, Alemanha, Estados Unidos e Reino Unido trabalharão com a equipe da Vertical Aerospace no desenvolvimento da aeronave que visa ser um dos primeiros eVTOLs certificados do mundo. A Vertical Aerospace, com sede em Bristol, já voou vários protótipos eVTOL em escala real e a construção do VA-X4 começará em breve, com a montagem sendo realizada no Reino Unido e o primeiro voo deve acontecer neste ano.

“A eletrificação dos voos é uma parte importante da estratégia de sustentabilidade da Rolls-Royce e apoia o objetivo da empresa contribuir para um futuro líquido zero de carbono até 2050”, diz a nota. “A Rolls-Royce Electrical é uma equipe especializada cujo foco é desenvolver tecnologia sustentável, eficiente e silenciosa para a aviação, aplicações marinhas, terrestres e industriais”, completa.