Rotas aéreas ponto a ponto liderarão a recuperação da indústria

Uma análise da consultoria Global Data concluiu que os voos diretos ponto a ponto serão chave na recuperação da aviação global.

man standing in front of airplane
Foto de Sunyu Kim via Pexels.com

Com um desejo cada vez maior de viajar, mas com restrições de orçamento aparecendo, os consumidores devem buscar roteiros que incluam voos “ponto a ponto” e para lugares mais próximos de suas casas, aponta a análise da Global Data. Nesse contexto, a consultoria vê um momento particularmente especial para as transportadoras de baixo custo (LCCs) em todo o mundo.

A consultoria acredita que o modelo de negócios da linha aérea “ponto a ponto” se beneficiará da mudança nos hábitos dos viajantes como resultado direto da pandemia Covid-19. Essas companhias aéreas se concentram em servir dois pontos diretamente, enquanto suas contrapartes operam em hubs e com conexões. Com os consumidores querendo viajar perto de casa e limitar sua interação com outras pessoas, quem oferecer conectividade direta será visto como uma opção de viagem superior.

A pesquisa

A pesquisa da GlobalData* revelou que 43% dos entrevistados considerarão fazer uma viagem doméstica nos próximos 12 meses, e outros 27% considerarão uma viagem internacional no mesmo continente em que vivem.

Outro estudo** também revelou que muitos consumidores estão preocupados com sua situação financeira, com 87% dos entrevistados ‘extremamente’, ‘bastante’ ou ‘um pouco’ preocupados com isso. Além disso, 50% dos entrevistados na mesma pesquisa concordaram ‘um pouco’ ou ‘completamente’ que seu orçamento familiar havia diminuído no último ano. Muitos viajantes procurarão cortar custos e as low-cost que oferecerem boas tarifas provavelmente se beneficiarão com isso. 

As companhias aéreas tradicionais terão a vantagem de implantar aeronaves widebody, de maior capacidade, em rotas de curta distância em resposta a picos de demanda. No entanto, as aeronaves widebody são frequentemente configuradas para rotas de longa distância, com assentos de baixa densidade não tão adequados para voos curtos. Além disso, o custo por assento será maior para as companhias aéreas que optarem por essa estratégia e resultará em uma posição mais forte das LCCs.

Hub ou não

Voar através de um aeroporto central oferecerá uma maior seleção de destinos, mas com a Covid-19 ainda difundida, apresenta um risco maior de contrair o vírus. Ao voar diretamente, os viajantes eliminarão paradas desnecessárias onde poderiam inadvertidamente se misturar com passageiros de todo o mundo, o que aumentaria o risco. 

Com as transportadoras ponto a ponto eliminando paradas desnecessárias e oferecendo o tempo de viagem mais rápido, os viajantes estarão mais propensos a pagar a mais para garantir um nível de segurança virtualmente mais alto.

* GlobalData live tracker pesquisa com 1.160 entrevistados, desde 17 de novembro de 2020.

** Pesquisa de consumidores do primeiro trimestre de 2021 com 21.768 entrevistados.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Aeroporto de Guarulhos alerta sobre vagas de emprego falsas

0
A GRU Airport, concessionária que administra o aeroporto internacional de São Paulo, em Guarulhos, fez um alerta ao público em geral.