Ryanair celebra 35 anos do seu 1º voo, feito com um avião da Embraer

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Embraer 110 Bandeirante da Ryanair © Torsten Maiwald [CC]

A maior empresa aérea da Europa completou hoje 35 anos de história, que se iniciou com apenas um avião, brasileiro: o Embraer Bandeirante.

Tudo começou no dia 8 de julho de 1985, quando um Embraer E110 Bandeirante com capacidade para 15 passageiros decolou de Waterford, na Irlanda, para o Aeroporto Gatwick, na capital britânica Londres, num voo de duas horas e meia.

Por consequência do uso do avião, os comissários da empresa tinham que ser baixinhos, mesmo! Segundo a Ryanair, os primeiros tripulantes de cabine tinham que ter no máximo 1 metro e 60 centímetros de altura para conseguir trabalhar no pequeno turboélice brasileiro.

© Ryanair

Foram 5 mil passageiros transportados naquele ano, a maioria em rotas entre a Irlanda e as principais cidades da Inglaterra. Dois anos depois, em 87, a empresa adquiriu seus primeiros aviões com motores à reação, os trijatos BAC One-Eleven de fabricação britânica.

Mas foi em 1991 que a coisa mudou para a empresa: após uma drástica redução de 68% nas suas rotas devido à Guerra do Golfo, que causou a disparada no petróleo, a Ryanair iniciou uma reestruturação.

Esta reestruturação casou com a desregulação da aviação na Europa, que permitiu a empresa crescer exponencialmente e, inclusive, apresentar lucro no ano seguinte, em 1992.

A desregulação na União Europeia permitiu que qualquer empresa aérea de um país membro fizesse voos entre outros dois países do bloco, mesmo não sendo o de seu registro, no caso a Irlanda.

Boeing 737-800 da Ryanair

Em 1994, a Ryanair começou a se utilizar desde benefício, oferecendo voos de baixa-tarifa saindo de Londres para Estocolmo e Oslo, na Escandinávia. No mesmo ano, a empresa passou a marca de 1 milhão de passageiros transportados, recebendo também seu primeiro Boeing 737.

Desde então, a companhia cresceu exponencialmente, explorando rotas nunca voadas, operando em aeroportos secundários para reduzir custos, e também até utilizando a apertada escada embutida do 737 (opcional de fábrica) para economizar com os gastos do apoio de solo.

A companhia constantemente está na mídia, graças ao seu CEO, que faz propostas inusitadas e sempre tem falas polêmicas. Por outro lado, é a única empresa que constantemente oferece tarifas a partir de €5 euros (R$30), sendo imbatível nas promoções.

Hoje, é a companhia aérea que mais transporta passageiros na Europa. Foram 152,4 milhões apenas em 2019, voando 450 jatos Boeing 737 Next Generation em bases por todo o velho continente. E tudo isso começou com apenas um Bandeirante da Embraer.

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagens pela Avianca Brasil e Azul Linhas Aéreas. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Avião Boeing 787-9 Air New Zealand

Com um Boeing 787, aérea levará passageiros para verem a Aurora...

0
A Air New Zealand está programando um voo especiais para passageiros que desejaram acompanhar as auroras austrais, na Antártica.