Ryanair quer comprar 737 MAX-10 usando as compensações que a Boeing pagará pela crise do MAX

A Ryanair anunciou na semana atual que pretende fechar uma encomenda de aeronaves 737 MAX-10, a maior versão da história da família 737, mas que para isso quer aproveitar as compensações que a Boeing pagará às companhias aéreas lesadas pelo aterramento do MAX.

Avião Boeing 737 MAX 10
Boeing 737-MAX 10

A Ryanair sugeriu à Boeing que os novos 737-10 poderiam fazer parte de um pacote de compensação pelas perdas sofridas como resultado do aterramento global do 737 MAX, disse Michael O’Leary, CEO da Ryanair Holdings, durante uma teleconferência trimestral.

Segundo a Reuters, apesar do anúncio, O’Leary disse que não espera que as negociações avancem ao ponto de se discutir o tamanho real do pedido antes da recertificação do 737 MAX.

Uma evolução para a Ryanair

Um pedido em potencial para o MAX 10, modelo que pode acomodar até 230 passageiros, marcaria uma evolução para a Ryanair.

Até agora, a companhia irlandesa de baixo-custo opera exclusivamente o 737-800 de 189 lugares (tem um único 737-700 principalmente para viagens de executivos), e conta com pedido firme de 210 737-8-200 (versão especial de 200 passageiros do MAX-8).

Portanto, o -10 representaria uma nova fase com operação de aviões de maior capacidade para a empresa.

Avião Boeing 737-800 Ryanair
Boeing 737-800 da Ryanair

MAX só no fim do ano

A companhia aérea já reconheceu que não espera operar nenhum 737 MAX antes do começo da temporada de inverno 2020 (corresponde ao verão 2020 do Brasil). O MAX 8-200 requer um certificado de tipo separado, que deve levar mais dois meses para ser obtido após o 737 MAX voltar a voar.

De acordo com sua programação original, a Ryanair esperava operar 55 MAX durante a temporada de verão no meio desse ano. A companhia se recusou a fornecer um número específico em relação às perdas ou à demanda estimada por compensação da Boeing.

O’Leary acrescentou que, realisticamente, a Ryanair pode receber entregas de até oito 737 MAX por mês após o tipo for certificado. Isso se traduziria em cerca de 50 unidades na frota da transportadora para o pico da temporada de verão seguinte, em 2021.

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias