Sai a aprovação para o reparo do problema elétrico do 737 MAX

Boeing 737 MAX-8 – Imagem: Oleg V. Belyakov / CC BY-SA 3.0, via Wikimedia Commons

A Boeing recebeu na quarta-feira, 12 de maio, aprovação da Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA) para seu método de reparo do problema elétrico que tirou mais de 100 aviões 737 MAX de operação desde 9 de abril.

O problema foi anunciado às empresas aéreas no início do mês passado pela fabricante, que apontou quais eram os 106 aviões afetados por uma falha, que surgiu como resultado de uma mudança de processo de fabricação.

A maior parte destas pouco mais de 100 aeronaves que precisaram ser tiradas de operação pertence a empresas americanas, mas algumas são de outras companhias ao redor do mundo, como a brasileira Gol Linhas Aéreas, que teve um de seus 737 MAX-8 paralisado.

Além da parada dos exemplares afetados que já estavam em posse das empresas aéreas, as entregas de novos aviões do modelo também foram paralisadas até que o problema fosse melhor avaliado e solucionado.

Agora, segundo informações obtidas pela Reuters junto à Boeing, foram aprovados dois boletins de serviço da fabricante, que apresentam as instruções de manutenção para correção da falha. Eles já foram encaminhados às companhias na quarta-feira, e os procedimentos também estão sendo aplicados às aeronaves da linha de produção para que as entregas sejam retomadas.

Ainda segundo a agência americana de notícias, uma pessoa com conhecimento no assunto revelou que o problema elétrico surgiu depois que a Boeing mudou um método de fabricação para acelerar a produção do jato. Outra pessoa disse que a mudança foi uma melhoria de um processo de perfuração.

O CEO da Boeing, Dave Calhoun, havia dito em abril à CNBC que seria um “período de correção de três a quatro dias” depois que os boletins fossem publicados, portanto, espera-se que todas as aeronaves estejam de volta ao serviço comercial em pouco tempo.

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias