Sem voos, Thai Airways arrecada US$ 315 mil ao mês com venda de lanches na rua

Barraca oficial da Thai Airways vende patongos em Bangkok: Canal de TV tailandês Spring New

Se por criatividade ou desespero (ou as duas coisas), a companhia tailandesa Thai Airways tem se mostrado muito eficiente na busca por fontes de renda alternativa para sobreviver à crise. Depois de transformar um dos de seus escritórios em Bangkok em restaurante e vender ingressos para que pessoas comuns possam usar o simulador de voo oficial da empresa, agora a aérea investe em algo ainda mais inusitado: a venda de comida nas ruas.

O quitute vendido pela companhia é o Patongo Thai Airways. O patongo (ou patong ko) é uma iguaria asiática, basicamente uma massa frita que pode ser doce ou levemente salgada. O lanche é um dos mais populares servidos nos voos da companhia. Por essa razão, a empresa montou barracas em cinco pontos movimentados de Bangkok, a capital do país, em que anuncia ser possível matar a saudade da guloseima de bordo durante pandemia.  

O diário tailandês Bangkok Post informou que as pessoas formam filas para comprar os patongos, sobretudo durante as manhãs. O petisco é popularmente consumido no café da manhã na Tailândia. Cada caixa com três unidades, acompanhada por molho de batata doce e creme de ovo, custa 50 Baths tailandeses, o equivalente a US$1,60 (R$9,00), aproximadamente. O jornal informa que o negócio deu tão certo que a Thai Airways pretende abrir uma franquia permanente do serviço.

Em setembro, a empresa viu entrar no caixa mais de US$ 315 mil apenas com a venda de patongo.

O dinheiro vai para os cofres da companhia aérea, que atravessa uma grande crise econômica, mesmo após o recebimento de auxílios do governo. De acordo com o jornal Thai Enquirer, a Thai Airways não tem sido lucrativa desde 2012 e entrou com pedido de recuperação judicial no Tribunal de Falências do país em maio deste ano. O governo tailandês reduziu sua participação na gestão da companhia para menos de 50% e o processo de reestruturação deve levar a corte de rotas e de funcionários.

Avião Airbus A380 Thai Airways
Imagem: Masakatsu Ukon / CC BY-SA (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0)
Fabio Farias
Jornalista e curioso por natureza. Passou um terço da vida entre aeroportos e aviões. Segue a aviação e é seguido por ela.

Veja outras histórias

Edelweiss Air planeja retomada dos voos ao Rio de Janeiro em...

0
Há quase um ano, em 13 de março de 2020, a Edelweiss Air operava seu último voo regular entre Zurique e o Rio de Janeiro devido à pandemia.