Após sete anos estocado, avião Boeing 747 é revivido pela crise da Covid-19

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Jumbo Boeing 747-400BCF National Airlines
© National Airlines

A americana National Airlines reviveu um Boeing 747 que estava estocado no deserto há sete anos, e 250 pessoas trabalharão para colocar o Jumbo de volta à condição de voos regulares.

Segundo divulgado pela empresa nesta segunda-feira (27), o 747-400BCF (Boeing Converted Freighter) de matrícula N756CA voou pela primeira vez após ter ficado parado por todos esses anos.

Pilotos da National Air Cargo buscam o 747 que estava estocado © Divulgação

O Jumbo foi fabricado em 1992 e entregue para a Singapore Airlines, na qual voou levando passageiros até 2007, ano em que foi convertido para cargueiro (daí a denominação BCF) e entregue para a Dragonair Cargo, de Hong Kong.

A Dragonair foi comprada pela Cathay Pacific, que incorporou a aeronave a sua frota cargueira, na qual o 747 voou até 2013. Desde então, o Jumbo estava parado no Deserto de Sonora, no Arizona, sendo preservado para o caso de um futuro uso.

De volta aos céus

E o seu dia de voltar a voar chegou: em meio à alta demanda de carga gerada pela crise da aviação de passageiros da Covid-19, a National Airlines comprou o Jumbo, que estava em posse da Boeing, e agora colocou-o de volta para voar.

O processo começou no final de março, com a Pandemia começando a “estourar” na Europa. Com as fronteiras fechadas em boa parte do mundo, os voos de passageiros que levam carga no porão tiveram uma queda drástica, e os aviões de carga foram colocados para atender voos de suprimentos médicos.

Com isso, aviões cargueiros como o 747 se tornaram essenciais, e têm voltado à ativa. Neste caso de ontem, o avião voou do Arizona até San Antonio, no Texas, onde passará por uma manutenção pesada durante 45 dias, na qual 250 pessoas trabalharão para deixar o Jumbo pronto para realizar voos regulares novamente.

A National Airlines já esteve algumas vezes no Brasil, chamando a atenção por sua pintura exótica nas cores cinza e azul, mas, infelizmente é mais conhecida por um trágico acidente:

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

KLM voltará ao Rio de Janeiro com o maior dos seus...

0
No dia 29 de dezembro do ano passado, a empresa aérea holandesa KLM fez o último voo regular para o Rio de Janeiro com o Boeing 787-10