Sindicato dos pilotos espanhóis pede que Emirates seja banida do México

O Sindicato Espanhol de Pilotos de Linhas Aéreas (SEPLA) se uniu à rejeição expressa pelos seus colegas do México em relação à entrada da Emirates Airlines na ligação entre Barcelona e Cidade do México. Em uma carta, os espanhóis pediram ao presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador que negue à Emirates a concessão já garantida de tráfego de quinta liberdade, a fim de preservar a justiça, a transparência e a proteção de seu mercado.

La casa de papel

Na carta, assinada desde Madri, os pilotos lembram ao presidente mexicano que “seu governo e o governo da Espanha têm a obrigação de agir de maneira responsável para garantir sempre um crescimento saudável de sua indústria, favorecendo a competitividade e a transparência, evitando danos às empresas de ambos os países em defesa da estabilidade do trabalho e dos empregos”.

Eles acrescentam que acreditam haver dúvidas legais, tanto em termos da validade do acordo bilateral por violação do princípio da real reciprocidade, quanto em relação a uma possível expiração desse acordo. Além disso, eles afirmam estar preocupados com o início das operações da Emirates na rota Dubai (DXB) – Barcelona (BCN) – Cidade do México (MEX), utilizando a quinta liberdade com direitos de tráfego em Barcelona.

A esse respeito, Rogelio Rodríguez Garduño, professor de Direito Constitucional da Unidade de Pós-Graduação da Faculdade de Direito da UNAM, explicou que, embora a operação da Emirates Airlines possua as autorizações necessárias e mesmo com os slots (horários e espaços de voo) para a sua operação, é possível revogar sua licença, desde que o governo assim deseje.

Em uma entrevista, Garduño comentou que a Emirates pode ser barrada de duas maneiras: um processo de amparo movido por companhias aéreas que operam no México, com o argumento de que interfere no desenvolvimento de seus planos de expansão e outra opção é que o Ministério das Comunicações e Transportes, juntamente com o Ministério das Relações Exteriores, solicite uma revisão do contrato de operação com a Emirates.

No entanto, o especialista explicou que esse pedido feito pelo governo poderia prejudicar a relação diplomática entre o México e o Oriente Médio, fato que ele não considera apropriado em tempos de incerteza global.

Emirates já tem slots no México

A companhia dos Emirados Árabes Unidos recentemente conseguiu os almejados slots necessários para operar no Aeroporto Internacional da Cidade do México (AICM), via Barcelona. O voo começará a funcionar a partir de 9 de dezembro com o Boeing 777-200LR, capaz de levar até 38 passageiros na executiva e 264 na econômica.

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.