Singapore deixará de ser uma empresa aérea só de aviões ‘widebody’

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Foto: Singapore Airlines (divulgação)

A Singapore Airlines (SIA) está prestes a iniciar a operação de aeronaves Boeing 737-800, com o voo de estreia agendado para o dia 4 de março. Isso marcará o início da fase final da absorção da sua companhia aérea irmã SilkAir e também será o momento em que a empresa deixará de operar apenas aviões widebody (jatos de corpo largo, ou “de dois corredores”).

A Singapore Airlines disse em um comunicado que a primeira rota da SilkAir a ser assumida será para Phuket, na Tailândia, seguida de Bandar Seri Begawan, em Brunei. Embora o Singapore Airlines Group tenha dito que fundiria a Singapore Airlines com a SilkAir em 2018, até agora nenhuma aeronave ou rota havia sido transferida.

“Mais rotas da SilkAir serão progressivamente transferidas conforme os nove 737-800 se juntarem à frota da SIA. Isso também permitirá à SIA operar a aeronave em rotas dentro de sua rede atual. A integração total da SilkAir está programada para ser concluída no Exercício financeiro de 2021/22”, disse a companhia aérea em nota.

Os jatos Boeing 737-800, por sua vez, estão passando por um processo de reconfiguração. Eles terão 12 assentos na classe executiva e 150 na classe econômica. A frota total da SilkAir tem 17 jatos, mas 8 deles serão colocados à venda. No entanto, em breve, começam a chegar os 31 737 MAX encomendados junto à Boeing, e todos deverão estar nas cores da Singapore.

Por estar baseada em uma cidade-estado, cujo território é pequeno, a Singapore não possui voos domésticos, portanto, usa seu hub em Changi como um centro de conexões global de alto padrão. Por conta dessa característica peculiar, a empresa aérea não possuía, até então, aviões de médio e pequeno portes.

Até antes de receber o primeiro 737-800, a frota da empresa tinha jatos Airbus A350 e A380, e Boeing 777-300ER e 787-10.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Azul segue adiando a volta dos seus voos para a terra...

0
Em abril do ano passado, a Azul Linhas Aéreas operou seu último voo regular entre Campinas e Orlando, onde ficam os principais parques