Empresa é multada em R$ 2,2 milhões por voar Jumbos sem equipamento necessário

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Avião Boeing 747-400F Jumbo SkyLease Sky Lease Cargo
Boeing 747-400F da Sky Lease – Imagem: Rafael Luiz Canossa / CC BY-SA 2.0, via Wikimedia Commons

A Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA) anunciou uma multa civil de US$ 422.500, ou cerca de 2,2 milhões de reais, contra a companhia aérea Sky Lease, de Miami, Flórida, por supostamente operar dois aviões Boeing 747 em dezenas de voos sem um equipamento aviônico necessário.

Entre 21 de junho de 2020 e 12 de julho de 2020, a empresa operou 56 voos quando os aviões Jumbo não tinham a versão necessária do Automatic Dependent Surveillance-Broadcast (ADS-B) Out, alega a FAA. O ADS-B Out transmite a posição, velocidade e outras informações de uma aeronave.

A FAA exigiu que as aeronaves que voassem em determinado espaço aéreo controlado dos EUA tivessem esse equipamento a partir de 1º de janeiro de 2020. A agência alega que as aeronaves entraram em espaço aéreo ao redor de Los Angeles, Miami, Chicago e Anchorage sem o equipamento necessário.

Os voos em questão ocorreram tanto dentro dos EUA quanto de e para países como Bolívia, China, Canadá, Colômbia e Peru.

A título de curiosidade, a Sky Lease já foi uma operadora frequente de voos cargueiros ao Brasil, tendo pousado com aviões Boeing 747-400F e MD-11F no Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas, até janeiro de 2019, segundo dados da ANAC.

Avião MD-11F Skylease Sky Lease Cargo
MD-11F da Sky Lease – Imagem: Maarten Visser / CC BY-SA 2.0, via Wikimedia Commons

Atualmente, dados do Airfleets e do FlightRadar24 mostram que a companhia tem dois Boeings 747-400F em sua frota. Um deles, de matrícula N904AR, está parado desde 26 de dezembro em Xiamen, na China, possivelmente passando por manutenção uma vez que lá existe um grande centro de serviços de grande porte. O outro, N903AR, voou frequentemente neste mês de janeiro entre os Estados Unidos e as Américas Central e do Sul.

A Sky Lease tem 30 dias após receber a carta de execução da FAA para responder à agência, caso tenha uma justificativa para a falha no cumprimento da regulamentação.

Informações da FAA

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Aumento dos incidentes na aviação do Brasil leva deputado a promover...

0
O debate na Câmara dos Deputados se deve a preocupação com a recente tendência de aumento no número de ocorrências.