Início História Sushi nas alturas: o dia que um Boeing 737 atingiu um peixe...

Sushi nas alturas: o dia que um Boeing 737 atingiu um peixe no ar

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Foi um inusitado fato que não poderia ter acontecido em um dia mais propício: era 1º de abril, o Dia Internacional da Mentira, quando o jornal The New York Times publicava, em 1987, que um avião havia atingido um peixe no ar.

Avião Boeing 737-200 Alaska Airlines
Boeing 737-200 da Alaska Airlines – Imagem: Stuart Seeger [CC]

A estranha ocorrência se deu logo após a decolagem do aeroporto da cidade de Juneau, no estado americano do Alasca. O primeiro pensamento que tive quando ouvi falar desse caso foi que talvez tivesse ocorrido algum tornado em algum lago ou mar próximo ao local, levantando ao céu alguns peixes junto à água sugada pela tormenta. Mas eu não estava certo em minha suposição.

Segundo o relato do jornal norte-americano, o Boeing 737 da companhia aérea Alaska Airlines atingiu algo no ar por volta de 400 pés (120 metros) depois do final da pista de Juneau. Apesar do impacto, a aeronave prosseguiu até seu destino, em Yakutat, também no Alasca.

E para lá também foi enviado um mecânico para inspecionar o jato e analisar se havia ocorrido algum dano. Para a surpresa de todos, a verificação identificou uma região oleosa na fuselagem, e algumas escamas grudadas. Mas como um peixe teria ido parar a dezenas de metros de altura sem a ocorrência de algum fenômeno meteorológico?

O responsável por esclarecer toda a história foi Paul Bowers, gerente e porta-voz do aeroporto de Juneau. Segundo o NY Times, Paul afirmou que havia uma águia levando o peixe em suas garras e, diante da presença do Boeing 737, largou a presa para fugir do enorme “predador” que se aproximava dela.

Águia carregando um peixe nas garras – Imagem: Andrew Russell [CC]

O peixe atingiu uma pequena janela na parte superior do cockpit, chamada de “eyebrow window”, ou janela sobrancelha, bastante comum nos modelos mais antigos dos aviões da Boeing. Ela era empregada para que os pilotos tivessem visão do céu para referências de navegação, e visão do solo durante curvas de grande inclinação (volte à imagem do início da matéria e note as pequenas janelas acima do para-brisa do avião).

Apesar do impacto, não houve danos à estrutura do 737, que prosseguiu com suas operações após uma hora de atraso devido à inspeção. Felizmente a águia não foi atingida. Provavelmente as consequências teriam sido bastante graves nesse caso, como se viu no vídeo gravado por um piloto de outro Boeing 737, que atingiu uma ave exatamente no para-brisa. Veja o vídeo na matéria abaixo.

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.