Tartaruga cabeçuda vai de carona em um voo comercial na Europa

Foto: Aer Lingus

Em janeiro de 2019, uma tartaruga marinha cabeçuda de nove meses (chamada Júlio César ou ‘JC’) foi encontrada na praia de Donegal. Acredita-se que ela tenha sido apanhada pela corrente errada e levado ao longo do riacho do golfo, vindo a parar em águas geladas e resultado numa hipotermia. Atordoada pela água fria, ela pesava muito menos do que o esperado para seu tamanho.

Descoberta por uma família local, JC foi batizada assim por seu espírito de luta. Ela foi então levada para uma unidade de tratamento do Exploris Aquarium, onde desde então veio se recuperado em um tanque tropical e desfrutado de uma dieta de mistura de peixes, lulas e ração, enquanto se preparava para sua viagem ao Centro de Recuperação da Vida Selvagem de Tarifa (Centro de Recuperação de Fauna Silvestre de Tarifa) na Gran Canaria.

As restrições do COVID-19 impediam os esforços de repatriação, mas JC, agora pesando 25 kg, viajou ontem, 15 de setembro, para sua nova casa nas Ilhas Canárias, num voo da Aer Lingus pilotado por Peter Lumsden. JC viajou na cabine em uma caixa à prova d’água especialmente projetada para ela, acompanhada por sua cuidadora, Portia Sampson.

O comandante Peter Lumsden, comentou o voo especial:

“É um prazer receber a bordo um passageiro muito especial hoje e garantir o transporte seguro de JC para Gran Canaria. Desde o primeiro contato, a Aer Lingus tem trabalhado em estreita colaboração com a equipe do Exploris Aquarium e nossas equipes de Manutenção e Engenharia e Operações Terrestres para garantir que todas as necessidades da JC sejam atendidas à medida que concluímos esta importante missão”.

Manter a temperatura da tartaruga acima de 19 graus é fundamental para seu bem-estar e ela requer monitoramento regular e lubrificação do casco, portanto colocá-la no porão da aeronave não era uma opção. Sua caixa especialmente projetada foi presa com segurança a vários assentos da cabine”.

Como todos nós no voo hoje, tenho certeza que ele está ansiosa para o clima mais quente após o pouso”.

Após a chegada a Gran Canaria, JC estará sob os cuidados do veterinário Pascual Calabuig do Centro de Recuperação de Vida Selvagem de Tarifa, que supervisionará sua aclimatação e monitorará seu comportamento, alimentação e condição física antes de liberar JC de volta ao mar.

As tartarugas cabeçudas são uma espécie vulnerável e ameaçada de extinção e seu número está em declínio na natureza. De acordo com o World Wildlife Fund eles são “os representantes vivos de um grupo de répteis que existiu na Terra e viajou pelos nossos mares nos últimos 100 milhões de anos”. Espera-se que as tartarugas cabeçudas cheguem a 100 kg quando se tornam adultas. Seu habitat são as costas quentes.

Foto: Aer Lingus
Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias