Teria o avião chinês C919 sido criado para roubar tecnologia?

Avião COMAC C919 Roubar Tecnologia
COMAC C919 em seu primeiro voo

O C919 é um jato de corpo estreito relativamente novo, construído pela Commercial Aircraft Corporation da China, ou COMAC, como é conhecida. Segundo o governo americano e um relatório da empresa de segurança de informação Crowdstrike a fabricante de aviões chinesa é usada em operações maciças de hackers realizadas pelo governo chinês e por um grupo de hackers afiliado ao governo chamado Turbine Panda, com objetivo de roubar conhecimento e tecnologia.

O parágrafo de abertura do relatório declara sem medir palavras: “Antes de ‘chutar a porta’ assim que um ator cibernético entra, leve em conta que é frustrantemente difícil provar quem é responsável por ataques cibernéticos com 100% de certeza. No entanto, uma série de acusações recentes do Departamento de Justiça dos EUA (DoJ) divulgadas ao longo de dois anos, combinadas com a própria pesquisa da CrowdStrike Intelligence, permitiu uma visibilidade surpreendente de uma faceta do aparato sombrio de inteligência da China”.

Turbine Panda - roubar tecnologia
Logo to Turbine Panda

documento descreve um esforço sustentado do Ministério da Segurança do Estado da China (MSS) para criar uma rede de cyber-atores, funcionários da MSS e membros da empresa para roubar as principais peças de tecnologia das empresas que a China contratou para colaborar no design do C919. Essas operações, diz a CrowdStrike, podem ser rastreadas até o MSS Jiansu Bureau. Esse é o mesmo grupo considerado responsável por violar o Office of Personal Management (OPM) em 2015 .

Projetando o C919 com os melhores componentes do mercado

Já era óbvio há uma década que a China um dia seria um enorme mercado para viagens aéreas. O país sabia que o aumento do PIB per capita despertaria interesse doméstico em voar e se propôs a construir um jato de corpo estreito de baixo custo que atendesse às suas próprias necessidades com mais eficiência do que uma solução concorrente da Boeing ou da Airbus. 

O C919, embora descrito como estando anos atrás dos mais recentes jatos do duopólio Boeing / Airbus, também tem um custo de saída muito menor. Para cumprir seu próprio plano de jato, a China aliou-se a uma variedade de empresas estrangeiras para produzir vários componentes.

roubar tecnologia

Em 2009, a Comac anunciou que havia escolhido a CFM International (uma operação conjunta entre a GE Aviation e a empresa aeroespacial francesa Safran) para produzir uma variante do motor LEAP-X, o LEAP-1C, para o C919. Ao mesmo tempo, a Comac e outra empresa chinesa estatal, a Aviation Industry Corporation da China (Avic), aparentemente foram encarregadas de projetar um design chinês nativo para o C919. 

O motor CJ-1000AX seria uma cópia do Leap-1C

Por sua vez, em agosto de 2016, a Comac e a Avic lançaram a Aero Engine Corporation da China (AECC), que produz um motor chamado CJ-1000AX. 

Segundo especialistas, o CJ-1000AX é “coincidentemente” parecido com LEAP-1C. Os dois motores compartilham muitas semelhanças suspeitas, incluindo suas dimensões e tamanhos de lâminas de turbofan. A primeira atividade que CrowdStrike observou em preparação para esse roubo ocorreu quando a Turbine Panda atacou a empresa Capstone Turbine de Los Angeles em 2010. A Crowdstrike escreve:

O crescimento exponencial das viagens de avião na China – fonte Crowdstrike

“Embora seja difícil avaliar se o CJ-1000AX é uma cópia exata do LEAP-X sem acesso direto às especificações técnicas de engenharia, é altamente provável que seus fabricantes tenham se beneficiado significativamente dos esforços de espionagem cibernética do MSS, ganhando vários anos (e potencialmente bilhões de dólares) em tempo de desenvolvimento”.

Infiltrados nas indústrias para roubar o conhecimento

Grande parte do restante do relatório é aprofundada nas relações entre vários indivíduos e na espionagem que eles realizaram. De 2010 a 2015, uma ampla coleção de hackers – oficiais de inteligência do Ministério de Segurança do Estado da China, hackers clandestinos, pesquisadores de segurança e outros – teriam se infiltrado em fornecedores no exterior, incluindo GE, Honeywell, Safran e outros. A aparente intenção do grupo era roubar tecnologias pertinentes ao desenvolvimento do C919, como projetos para um novo motor turbofan e outros componentes. 

Motor CJ1000-AX, acusado de ser uma cópia do Leap-X

O relatório é uma acusação ao subterfúgio econômico de Pequim. Ele procura detalhar como a China “usa um sistema multifacetado de transferência forçada de tecnologia, joint ventures, roubo físico de propriedade intelectual de pessoas de dentro e espionagem cibernética para adquirir as informações necessárias” para ultrapassar seus pares.

O motor turbofan é apenas um exemplo de provável saque de segredos comerciais que ex-funcionários dos EUA apelidaram de “a maior transferência de riqueza da história“. Tais violações continuam sendo um importante ponto de discórdia entre a China e os EUA, uma vez que continuam as negociações comerciais repetidas vezes. Se houver um acordo, terá que lidar com todo o roubo que já aconteceu.

A conclusão do relatório da Crowdstrike

Em sua conclusão, a Crowdstrike menciona que a ideia original por trás da abertura do comércio com a China era que os clientes dos EUA e da China se beneficiariam. 

Segundo a consultoria, Isso é verdade de várias maneiras, mas há uma profunda diferença entre a fabricação de bens de consumo de baixo custo e a construção de peças de aeronaves de alto desempenho com enormes custos de P&D. 

Esses componentes são o produto final de décadas de experiência em pesquisa e fabricação. Longe de competir em igualdade de condições, a China parece focada em roubar as informações necessárias para fechar suas lacunas para, em seguida, limitar o acesso ao seu próprio mercado quando terminar de pegar o que quer.

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.