Início Aeroportos Aeroporto de Teruel: recorde de aeronaves, mas sem nenhum passageiro

Aeroporto de Teruel: recorde de aeronaves, mas sem nenhum passageiro

No auge da parada por conta da pandemia, um aeroporto na Espanha continuou cheio e até mesmo mais movimentado do que o usual. Ele fica em Teruel, no leste do país Ibérico.

O Aeroporto de Teruel recentemente liderou o ranking de atividades aeroportuárias da Espanha pela primeira vez na história, numa clara demonstração de quão anormais são os tempos atuais, uma vez que, normalmente isso jamais ocorreria.

Você provavelmente já viu aqui outras matérias ou referências a esse aeroporto, principalmente nos últimos tempos de pandemia e redução da mobilidade aérea global. Isso acontece por que é para Teruel que muitas empresas aéreas têm mandado suas aeronaves para estocagem, muitas delas em definitivo.

Clima árido é o segredo

Teruel está localizado num dos locais menos habitados da Espanha e mesmo da Europa. A cidade que dá nome ao aeroporto e possui o mesmo nome da província, da qual é a capital, tem a menor população entre as capitais provincianas da Espanha, sendo parte da região autônoma de Aragão.

Teruel fica numa região de clima árido, sendo conhecida pelo seu presunto Jamón Serrano, por sua porcelana, pelo sítio arqueológico local (onde foram encontrados os mais antigos fósseis de dinossauros da Península Ibérica) e por festas típicas da região.

Localização do aeroporto de Teruel – Google Maps.

A província de Teruel raramente aparece nos itinerários dos milhões de turistas que visitam a Espanha a cada ano. Mesmo entre os espanhóis, é um destino fora do comum, que conserva uma aura de mistério, como convém a um lugar do qual muitos já ouviram falar, mas poucos o visitaram.

Não é à toa que uma organização política de base local, que no ano passado elegeu seu primeiro representante para o parlamento espanhol, escolheu “Teruel Existe” como slogan que pretende colocar o território “de volta” no mapa do país.

Daí, percebe-se o quanto anormal é o momento atual no planeta, onde um aeroporto localizado em tal região e com tais características tenha, por um período de tempo, se tornado detentor do status de mais movimentado do país, à frente de Madri, Barcelona, Palma de Mallorca, Málaga, entre outros.

Armazenamento de aeronaves

Dentre os problemas provocados pela pandemia do novo coronavírus, um deles colocou Teruel no mapa da Europa, e mesmo do planeta: o armazenamento de aeronaves, que foram obrigadas a permanecer no solo por conta das restrições nas viagens aéreas.

Assim, os usuários de Teruel não são passageiros, mas os próprios aviões. O clima seco local é a melhor opção para as companhias aéreas que têm excesso de capacidade em suas frotas.

Um porta voz da Lufthansa, disse à CNN Travel, que o clima em Teruel é adequado para o armazenamento de aeronaves por longo prazo, uma condição na qual a aeronave pode permanecer por um longo período sem grandes trabalhos de manutenção, sendo preservada da melhor maneira possível para uma retomada posterior das operações.

Vista do aeroporto de Teruel – Google Maps.

Além disso, Teruel abriga as instalações da Tarmac Aerosave, um grupo francês que oferece serviços de armazenamento, manutenção e reciclagem para o setor de transporte aéreo e administra outros dois locais semelhantes no sul da França (próximos a Teruel).

Em um deles, Tarbes, perto dos Pirenéus franceses, os dois primeiros A380 a serem totalmente retirados de serviço, ambos pertencentes a uma empresa de leasing alemã, foram desmontados no final de 2019.

Com a demanda de passageiros em baixa e a incerteza em níveis altíssimos, algumas companhias aéreas anteciparam a aposentadoria dos gigantes de quatro motores, e muitos deles acabaram em Teruel.

Ficando sem espaço

Uma dessas companhias aéreas é a Air France, que, segundo a CNN, armazenou 180 aeronaves de uma frota total de 224. A maioria delas permaneceu em suas bases francesas em Paris e Toulouse, mas alguns A380 foram transportados para Teruel antes do planejado para sua aposentadoria. Fontes da Air France confirmaram que, em 11 de junho, a companhia aérea tinha cinco A380 em Teruel.

Em Teruel também estão três A380 da Lufthansa, que voaram para o aeródromo aragonês após a pandemia. A transportadora alemã também está enviando toda a sua frota A340-600 para Teruel, onde será desativada nos próximos dois a três meses. Não se espera que essas aeronaves retornem ao serviço por pelo menos um ano e meio, se é que irão voltar.

Embora tenha havido explosões de atividade em Teruel no passado, como quando a Transaero, a segunda maior companhia aérea da Rússia, faliu em 2015 e a maior parte de sua frota foi enviada para lá, esta será a primeira vez que o aeroporto opera com um tráfego tão intenso.

Pedro Sáez, diretor da Tarmac Aerosave de Teruel, disse à CNN em 17 de junho que, embora a empresa contasse, antes da pandemia, com 66 aeronaves armazenadas e estacionadas no aeroporto, agora o número subiu para 109, 43 aeronaves a mais.

A chegada de algumas aeronaves de grande porte – no início de junho estavam em Teruel nove A380 e quarenta A340 – aumenta a já considerável carga de trabalho no aeroporto, que tem capacidade para armazenar até 125 aeronaves ao mesmo tempo.

Como os aviões são mantidos

Ajuda bastante você ter em mãos instalações que incluem um hangar para pintura de aeronaves, e um grande hangar capaz de acomodar dois A380 simultaneamente.

Os gerentes do aeroporto estão pensando em como otimizar o espaço existente. Vinte e cinco aeronaves já foram colocadas em aérea não pavimentada. É trabalhoso, há funcionários em licença, e as aeronaves precisam de cuidados e manutenção especializados durante o tempo em que estão armazenados.

A Air France estima que uma aeronave em “armazenamento ativo” por um período de um a três meses requer cerca de 150 horas de trabalho em três fases.

Há uma fase preparatória inicial quando os motores, entradas e saídas de ar e outras áreas importantes são protegidas, fluídos são drenados e itens nas asas e trem de pouso são lubrificados. Posteriormente, são executadas inspeções recorrentes que envolvem também a movimentação periódica da aeronave para reduzir a pressão nos pneus, o acionamento dos motores e verificação de potência regularmente.

Quando é decidido pelo retorno da aeronave ao serviço, os procedimentos realizados para a volta às operações podem levar mais dois dias, removendo proteções e executando inspeções e verificações adicionais, isso dentro da característica de cada modelo de aeronave.

Por conta de todo esse movimento em direção ao aeroporto, o espaço começa a ficar escasso, e soluções precisam ser encontradas para poder atender de forma ideal, o número cada vez maior de aeronaves em armazenamento.

Apesar de toda incerteza por conta da situação atual no setor aéreo, uma coisa é certa, dezenas de aeronaves que estão em Teruel não voltarão às operações, resta saber qual será o seu destino final. Mantê-las indefinidamente no aeroporto tem um custo elevado, assim, é muito provável que elas acabem sendo desmontadas, o que proporcionaria novas vagas e espaço, para outros aviões.