Thomas Cook suspende seus voos e a venda de passagens

Avião Airbus A330 Thomas Cook

A empresa britânica Thomas Cook, especializada em viagens de turismo, parou de vender passagens e pacotes e cancelou seus voos depois que as negociações para gerar um financiamento falharam neste final de semana.

A provável falência, que atinge tanto a agência de turismo quanto a companhia aérea, atinge 9.000 empregos e desencadeia um enorme esforço de repatriamento para levar para casa 150.000 turistas britânicos no exterior.

A Autoridade de Aviação Civil (CAA) anunciou às duas horas da manhã (horário local) desta segunda-feira que a empresa de turismo mais antiga do mundo havia entrado em recuperação e que todos os voos e reservas haviam sido cancelados.

“O Thomas Cook Group, incluindo a operadora de turismo e a companhia aérea do Reino Unido, interrompeu o comércio com efeito imediato”, afirmou o órgão regulador da aviação em comunicado. “Todas as reservas da Thomas Cook, incluindo voos e pacotes, foram canceladas.”

A suspensão oficial foi programada para as primeiras horas, momento em que o maior número da frota de 94 aeronaves estava em terra.

Peter Fankhauser, executivo-chefe da Thomas Cook, disse que o colapso da operadora de turismo foi uma “questão de profundo pesar” ao se desculpar com os “milhões de clientes e milhares de funcionários” da empresa.

O governo e a CAA desencadearam a maior operação de repatriamento da história do Reino Unido em tempos de paz – denominada Operação Matterhorn – para levar os turistas para casa.

Falando a repórteres em seu avião que seguia para a assembléia geral da ONU em Nova York, o primeiro-ministro Boris Johnson sugeriu uma possível ação governamental contra os diretores de empresas de viagens que as presidem em momentos da falência.

O primeiro-ministro disse que, após o colapso das companhia aérea Monarch e Thomas Cook, chegou a hora de “refletir sobre se os diretores dessas empresas estão devidamente incentivados a resolver essas questões”.

Johnson disse que não parecia que o governo poderia ter feito mais para ajudar, por exemplo, concordando com o pedido de Thomas Cook para um resgate de 150 milhões de libras. “É uma situação muito difícil, e obviamente nossos pensamentos estão muito com os clientes de Thomas Cook, os turistas, que agora podem enfrentar dificuldades para chegar em casa”, disse ele. “Faremos o nosso melhor para levá-los para casa.”

O secretário de Relações Exteriores, Dominic Raab, disse no domingo que o governo tinha planos de contingência para os passageiros e procurava tranquilizar os turistas de que eles não acabariam abandonados no exterior.

A empresa apelou aos ministros para um resgate, mas Raab disse que o governo não intervém sistemicamente, a menos que seja do interesse nacional. “Esperamos para ver se a companhia continuaria a operar, mas, de qualquer forma, como seria de esperar, temos o planejamento de contingência para garantir que, em qualquer cenário de pior caso, possamos apoiar todos aqueles que poderiam ficar presos”, disse Raab à BBC.

Uma reunião de última hora em um escritório de advocacia no centro de Londres entre executivos e partes interessadas de Thomas Cook, incluindo o maior acionista da empresa, o conglomerado chinês Fosun, chegou ao fim após as 17h de domingo, encerrando as negociações que começaram às 9h.

Entende-se que o operador turístico fez uma série de propostas, incluindo pedir aos credores que reduzam a cobrança de £ 200 milhões por financiamento extra e que as empresas de cartão de crédito liberem cerca de £ 50 milhões em dinheiro que estão mantendo como garantia contra as reservas da Thomas Cook.

O executivo-chefe de Thomas Cook, Peter Fankhauser, deixou a reunião no escritório de advocacia da cidade ladeado por colegas sem dizer nada sobre o acordo. Ele também ficou quieto quando perguntado se tinha alguma mensagem para clientes presos no exterior.

A Thomas Cook tem se esforçado para lidar com uma dívida de £ 1.7 bilhões. A reunião da 11ª hora ocorreu depois que a empresa concordou com um resgate de 900 milhões de libras – mas foi instruída a encontrar outros 200 milhões de libras, o que se mostrou uma valor alto demais.

Enquanto isso, os turistas de Thomas Cook estavam ansiosos pelo risco de serem despejados de seus hotéis ou cobrados novamente por suas férias. As empresas de férias normalmente não pagam hotéis antes de 90 dias após a saída dos turistas.

Os clientes de um hotel na Tunísia relataram ter sido presos por seguranças, pois o hotel exigia dinheiro extra, temendo que Thomas Cook não fizesse o pagamento. No entanto, a empresa disse que a disputa foi resolvida e os turistas foram capazes de deixar o hotel.

A alemã Condor Airlines, que realiza voos para o Brasil em nome da Thomas Cook, tendo um voo semanal, aos domingos, para Fortaleza, anunciou em redes sociais que suas operações não são afetadas pelo colapso da companhia britânica.

Com informações do The Guardian.

Murilo Basseto

Formado em Engenharia, foi um dos líderes do Urubus Aerodesign da Unicamp e um dos responsáveis por alçar o grupo à elite mundial da engenharia aeronáutica universitária. Atualmente é Editor-Chefe do AEROIN.