Um ano depois do começo da pandemia, mais de 8.400 aeronaves voltaram a voar

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

person with toy airplane on world map
Foto de Andrea Piacquadio via Pexels.com

As equipes de especialistas em aviação e dados da nossa parceira Cirium têm monitorado os números da frota comercial em serviço e em armazenamento desde o início da pandemia de COVID-19. Um ano depois do pico de cancelamentos de voos e de cortes nas programações, nota-se que 8.434 aeronaves já voltaram ao serviço.

Em 6 de abril de 2020, a Cirium classificou um total de 16.522 jatos de passageiros em todo o mundo como “em armazenamento”, enquanto em 6 de abril de 2021 um total de 8.084 foram classificados nesse mesmo status.

Como mostra a tabela abaixo, uma parte significativa da frota comercial global permaneceu em armazenamento até maio de 2020, com mais de 16.000 widebodies, narrow-body e jatos regionais aterrados. A partir de junho de 2020, as companhias aéreas começaram a retornar cada vez mais aeronaves comerciais às suas frotas, principalmente as de corredor único (narrow).

Os números mais promissores de abril de 2021 refletem a recuperação nos voos domésticos na China e nos EUA. Os números das aeronaves em armazenamento estão intrinsecamente ligados à demanda de viagens e os dados do Cirium Core sugerem que o tráfego de passageiros das companhias aéreas atingirá apenas 47% dos níveis de 2019 no final de 2021.

A equipe de consultores especializados da Cirium – Ascend by Cirium – prevê que até o final de 2021 ainda haverá 6.000 aeronaves classificadas como armazenadas.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Senadores ficam enfurecidos com plano de segunda pista no Aeroporto de...

0
Representantes do governo disseram entender as razões dos senadores catarinenses, mas não se comprometeram com a realização da obra.