Um voo decola todos os dias nos EUA e faz uma rota em ‘U’, em vez de uma reta; veja o motivo

Quem acompanhar o voo da FedEx de número FDX-1311 pelos aplicativos de rastreamento de voos poderá estranhar a rota que a companhia de entregas adota para percorrer diariamente os 1.400 quilômetros que separam as cidades de Denver e Memphis, nos Estados Unidos.

Mesmo que não haja qualquer condição meteorológica adversa, você, muito provavelmente, verá um grande “U” deitado desenhado sobre o mapa ao invés de uma linha reta ligando as cidades. O por quê disso ocorrer, quando a viagem em linha reta levaria metade do tempo, foi explicado no site colaborativo Aviation Stack Exchange por um piloto experiente.

Memphis, no estado do Tennessee, concentra a sede da FedEx (Federal Express), a gigante mundial do transporte postal e que administra uma frota de quase 700 aeronaves. O aeroporto da cidade é o principal hub da malha aérea da companhia que, a partir dali, organiza a distribuição dos seus voos para todo o país e para o mundo. Todas as noites, centenas de milhares de mercadorias são organizadas nos galpões para que sejam despachadas para seus destinatários na manhã seguinte.

Imagem: RadarBox

Contingência

Nesse contexto entra o FDX1311, que é considerado um voo de contingência.

Diariamente, ele decola de Denver, no estado do Colorado, no noroeste do país, por volta das 19h. Ele, contudo, não está programado para fazer uma rota normal, ponto a ponto. Sua missão é fazer uma varredura e verificar a situação operacional do principais aeroportos e socorrer, com máxima rapidez, a carga de qualquer aeronave que, por qualquer motivo, não possa decolar e transportar os itens para o centro de distribuição em Memphis.

A rota em formato da letra “U” deitada é projetada para permitir que a aeronave possa ser desviada, em caso de necessidade, para vários aeroportos nas áreas sul e oeste dos Estados Unidos, regiões onde a FedEx tem grande atividade. Ao chegar ao aeroporto de Memphis, o avião fica disponível para despachar remessas do hub. Assim, a FedEx minimiza consideravelmente a possibilidade de atrasos nas entregas.

Não há uma aeronave padrão para o voo. Normalmente, as operações são feitas por grandes cargueiros antigos, como Airbus A300, DC-10 e Boeings 767-300. O FDX-1311 faz parte do plano de contingência da FedEx que inclui cinco aeronaves para cobrir todo o território dos EUA e são usadas em diferentes situações.

Entre os problemas que podem ser atendidos estão manutenções não planejadas em aeronaves, indisponibilidades na tripulação, falhas no planejamento da armazenagem e até a busca por remessas esquecidas ou entregues de última hora.

De acordo com a FedEx, na maioria das vezes, a aeronave voa vazia ou com pouca carga, para permitir grande poder de armazenamento. Cada voo custo cerca de US$ 30 mil, com consumo de combustível até 30% maior do que uma trajetória em linha reta. O valor, contudo, compensa o que seria gasto com multas e outras penalidades no caso de entregas em atraso e danos à marca.

Fabio Farias
Jornalista e curioso por natureza. Passou um terço da vida entre aeroportos e aviões. Segue a aviação e é seguido por ela.

Veja outras histórias

EUA exigirão de brasileiros testes de COVID até um dia antes...

0
Para evitar uma nova onda do Coronavírus com as variantes Delta e Ômicron, os EUA apertaram os requisitos de entrada para brasileiros.