United Airlines emite nota desoladora a seus 100 mil funcionários

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram.

Oscar Munoz, diretor executivo, e Scott Kirby, presidente, emitiram, na semana passada, uma mensagem para quase 100.000 funcionários da United Airlines. Nela, os executivos dizem que os planos do governo americano para as empresas aéreas não serão suficientes e que a companhia terá que reduzir de tamanho.

Leia o comunicado na íntegra:

À nossa família United

“Esperamos que tudo esteja bem com você e sua família. Há duas semanas, organizamos uma conferência virtual e foi uma oportunidade valiosa para nos conectarmos com todos vocês. E ficamos muito satisfeitos com a resposta: mais de 50.000 de vocês assistiram ao vivo ou assistiram à transmissão disponível no site.

No evento, discutimos o impacto de suas ligações e cartas ao Congresso, durante o debate sobre o apoio financeiro ao setor aéreo. Washington ouviu vocês em alta voz, aprovando uma legislação vital que fornecerá às companhias aéreas comerciais um total de US$ 50 bilhões em subsídios e empréstimos. Somos gratos pela cooperação dos líderes do Congresso e da Administração Federal, e agradecemos o papel crítico que você desempenhou. As milhares de cartas e mensagens enviadas, capturando o espírito de nossa família United e o que nosso serviço significa para nossos clientes e comunidades, fizeram toda a diferença no mundo. Precisaremos desse espírito mais do que nunca, quando focarmos o restante de 2020.

O desafio que a United tem pela frente é maior do que qualquer outro que enfrentamos em nossos orgulhosos 94 anos de história. Temos o compromisso de ser o mais direto e transparente possível com você sobre as decisões que estão por vir e que impacto elas terão nos nossos negócios e em vocês, homens e mulheres da United Airlines.

Vamos começar no curto prazo. Agora, esperamos que a United receba aproximadamente US$ 5 bilhões do governo federal por meio do Programa de Apoio à Folha de Pagamento, de acordo com a Lei CARES – a ser usada para proteger os contracheques de nossos funcionários. Esse apoio do governo não cobre nossa despesa total com a folha de pagamento, mas mantemos nossa promessa de que não haverá cortes nos pagamentos de salários ou de pessoas até 30 de setembro. Hoje, a folha de pagamento representa cerca de 30% de nossos custos totais. Custos operacionais e não consignados como uso de aeroporto, suprimentos e infraestrutura são significativos e não desaparecem enquanto estamos parados. É por isso que temos sido tão agressivos na redução de despesas de capital, na redução de nosso trabalho com fornecedores e consultores e na redução de salários dos executivos pela metade.

Planejamos ir ainda mais longe para reduzir custos. Neste fim de semana, atualizaremos nossa escala, que reduzirá ainda mais nossa capacidade para cerca de 10% do que foi planejado para maio no início deste ano. Esperamos anunciar reduções semelhantes ao cronograma de junho nas próximas semanas. Agora, basicamente, redesenhamos nossa rede para diminuir 90%, em conformidade com a Lei CARES e mantendo a conectividade entre quase todos os nossos destinos domésticos. E essas reduções no cronograma de maio e junho terão consequências diretas para os funcionários da linha de frente em termos de horas totais trabalhadas. Esses grupos de trabalho podem esperar ouvir mais detalhes de seus líderes em breve.

Quanto mais flexibilidade tivermos da perspectiva da folha de pagamento, melhor. Portanto, todos os grupos de trabalho podem esperar iniciativas contínuas de corte de custos da folha de pagamento nas próximas semanas, incluindo novas ofertas de licença voluntária. Para aqueles que são elegíveis, considere se inscrever como voluntários COLA e ANP. Somos gratos aos mais de 20.000 funcionários que já se inscreveram. Seu sacrifício é profundamente apreciado e importante para o futuro da nossa empresa.

Essas mudanças no cronograma refletem a dura realidade de nossa situação – e, infelizmente, é algo que mesmo uma ação tão grande quanto a Lei CARES não pode consertar. A demanda de viagens é essencialmente zero e não mostra sinais de melhora no curto prazo. Para ajudar você a entender como poucas pessoas voam nesse ambiente, menos de 200.000 pessoas voaram conosco durante as duas primeiras semanas de abril deste ano, em comparação com mais de 6 milhões no mesmo período de 2019, uma queda de 97%. E esperamos voar com menos pessoas durante todo o mês de maio do que em um único dia de maio de 2019.

O impacto econômico grave dessa crise significa que, mesmo quando a demanda por viagens começar a recuar, ela provavelmente não se recuperará rapidamente. Acreditamos que as preocupações com a saúde provavelmente persistam, o que significa que mesmo quando as medidas de distanciamento social forem relaxadas e as empresas e escolas comecem a reabrir, a vida não necessariamente volta ao normal. Por exemplo, nem todos os estados e cidades devem reabrir ao mesmo tempo. Algumas restrições de viagens internacionais permanecerão em vigor. Empresas e operadores turísticos farão o possível para acomodar pessoas que procuram evitar grandes multidões. Portanto, embora ainda não tenhamos finalizado as alterações em nossa programação para julho e agosto, esperamos que a demanda permaneça reprimida pelo restante de 2020 e provavelmente até o próximo ano.

Então, vamos terminar por onde começamos, o financiamento do governo que esperamos receber em breve é ​​útil no curto prazo, porque podemos proteger nossos funcionários nos EUA de licenças involuntárias e cortes até o final de setembro. Mas as perspectivas econômicas desafiadoras significam que temos algumas decisões difíceis pela frente, pois planejamos que nossa companhia aérea e nossa força de trabalho sejam menores do que são hoje, a partir de 1º de outubro.

Ao longo desta crise, fomos sinceros com você. E hoje não é diferente. Agradecemos a parceria e o diálogo aberto que mantemos com todos vocês ao enfrentarmos essa situação extraordinária que teve um impacto sem precedentes em nossas famílias e em nossa empresa. Prometemos continuar em contato próximo – e continuaremos a ser o mais transparentes possível – nas próximas semanas e meses.

Fique seguro. Mantenha-se saudável. E, por favor, continue a cuidar bem de nossos clientes e uns dos outros. É por sua causa que continuamos orgulhosos de estarmos unidos.

Oscar e Scott”

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Avião Embraer E195 Azul Linhas Aéreas

Belém e Boa Vista voltam a contar com voos diretos entre...

0
Os voos que haviam estreado na rota entre Belém (PA) e Boa Vista (RR) nos meses anteriores à suspensão da pandemia agora estão de volta.