United Nigeria quer mais jatos Embraer ERJ-145 voando em sua frota

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

A United Nigeria Airlines planeja consolidar suas operações domésticas com mais dois EMB-145LR e pretende estabelecer suas próprias instalações de Revisão, Reparo e Manutenção (MRO). Esta foi a palavra do presidente da empresa, Obiora Okonkwo, durante uma entrevista coletiva em Lagos em 14 de abril de 2021. A companhia aérea, que iniciou suas operações domésticas em 12 de fevereiro de 2021, atualmente possui uma frota de quatro E145LR anteriormente operados pela ExpressJet.

Okonkwo disse que o E145LR tem o tamanho certo para o mercado em termos de eficiência de custo operacional, mas limitado em termos de capacidade de carga, o que significa que a companhia aérea precisa fazer um upgrade no futuro.

“O ERJ145 é uma aeronave boa e com baixo consumo de combustível, estamos negociando e finalizando mais dois Embraer e, até lá, estaríamos consolidados em certas rotas, e então planejamos provavelmente considerar uma aeronave de maior porte. Como você deve saber, o ERJ pode ter todas as suas vantagens, mas também tem sua desvantagem em termos de carga e tudo mais. Um nigeriano típico vai querer viajar com muitas coisas, então os desafios estão aí. Gostaríamos de fazer algo para acomodar isso em breve. Até agora, estamos contornando esses desafios”.

Desde o início das operações, a companhia transportou 25.000 passageiros, com média de 3.200 passageiros semanais. Okonkwo também revelou que a empresa estava negociando com a Autoridade de Aeroportos Federais da Nigéria (FAAN) para adquirir um terreno para sua própria instalação de MRO em Enugu. A companhia aérea já entrou em contato com parceiros técnicos e dentro de dois anos ela pretende realizar sua própria manutenção pesada e também atender a outras companhias aéreas na África Ocidental.

Ele disse que a instalação de MRO foi projetada para economizar 40% em custos de manutenção, cortando o custo de transporte de aeronaves ao exterior e economizando em provisões para a tripulação de voo, em hangaragem e mitigando o risco de atrasos.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias