Início Empresas Aéreas A United está tirando assentos dos jatos Embraer, entenda o estranho motivo

A United está tirando assentos dos jatos Embraer, entenda o estranho motivo

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

© Embraer

A United Airlines está retirando assentos de seus jatos Embraer E175, mas a medida não tem a ver com distanciamento social a bordo ou com transporte de cargas. A medida foi revelada pelo portal Live And Let’s Fly, e confirmada por diversos pilotos da empresa ao AEROIN.

Os jatos E175 da companhia voam sob a marca United Express, que é a subsidiária regional da empresa. Estes jatos Embraer levam até 76 passageiros e são operados pelas terceirizadas Mesa Airlines, Republic Airways e SkyWest Airlines.

E é por causa das terceirizadas que parte dos assentos será removida, e não para manter os passageiros mais distantes um dos outros durante a pandemia ou para dar mais espaço para transporte de carga.

Como já abordamos diversas vezes aqui no AEROIN, a aviação regional americana é completamente terceirizada. E para impedir que esta terceirização, que inclui salários menores, chegue nas rotas principais da empresa, os pilotos fecharam um acordo com a companhia aérea.

Este acordo é o Scope Clause, que define onde e como a empresa regional irá operar. É como o nome diz: uma cláusula de escopo, definindo o objetivo de uma regional, que é operar em rotas secundárias e aeroportos pequenos.

A Scope Clause tem sido a dor de cabeça da Embraer, já que por limitar o peso máximo de decolagem, impede que o novo E175-E2 possa ser operados nos EUA, motivo pelo qual o modelo não conseguiu nenhuma venda se quer. Para o sindicato e para os pilotos da própria United (e não das regionais), o peso dele é “muito alto para um avião regional”.

Configuração atual da United, com 76 assentos no Embraer E175

Pesos à parte, este acordo também define regras de demissões, sendo de alguma maneira similar ao Contrato Coletivo de Trabalho, bem conhecido no Brasil.

No caso da United, foi definido com o sindicato e com os pilotos que caso um piloto se quer fosse demitido ou afastado por redução de força de trabalho (exclui demissão por justa causa), a empresa teria que tirar seis assentos dos seus maiores jatos regionais.

A medida é como uma punição para a empresa não demitir e recontratar os pilotos com salários mais baixos através das tercerizadas. No caso especifíco da United, dos 177 jatos Embraer E175, apenas 5 não tinham 76 assentos, sendo equipados com 70 poltronas.

Sendo assim, todos os 172 jatos E175 da United Express serão reconfigurados de 76 para 70 assentos. E a empresa já colocou a medida em prática, mudando inclusive o mapa de assentos em seu site. A nova configuração conta com 12 assentos na Primeira Classe, 16 na Econômica Plus e 42 na Econômica. Compare a imagem a seguir com a anterior, e veja a mudança.

Nova configuração com 70 assentos

A única exceção ocorre para o caso do piloto demitido ter sido contratado depois de 23 de janeiro de 2016, quando a Scope Clause foi assinada entre a United e a ALPA (Associação de Pilotos de Linha Aérea, que é o sindicato da categoria nos EUA), mudando os requisitos anteriores.

Quando a aviação se recuperar, o que se prevê ocorrer em dois a três anos, e os pilotos forem recontratados, a United poderá novamente colocar 76 assentos nos seus jatos Embraer E175. Até lá, 70 passageiros no máximo, nothing else!

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A
Sair da versão mobile