Vacina da COVID: 8 mil Boeings 747 seriam necessários para distribuição

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Avião Boeing 747-400F Kalitta Air Frente
Boeing 747-400F

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) exortou os governos a começarem um planejamento cuidadoso com as partes interessadas da indústria para garantir a preparação total quando as vacinas para COVID-19 forem aprovadas e estiverem disponíveis para distribuição.

A associação também alertou sobre restrições de capacidade potencialmente graves no transporte de vacinas por via aérea.

Preparação

A carga aérea desempenha um papel fundamental na distribuição de vacinas em tempos normais, por meio de sistemas de distribuição globais bem estabelecidos, sensíveis ao tempo e à temperatura.

Essa capacidade será crucial para o transporte e distribuição rápidos e eficientes das vacinas da COVID-19, quando disponíveis, e não acontecerá sem um planejamento cuidadoso, liderado pelos governos e apoiado pelas partes interessadas da indústria.

“A distribuição segura das vacinas da COVID-19 será a missão do século para a indústria global de carga aérea. Mas isso não acontecerá sem um planejamento prévio cuidadoso. E a hora para isso é agora. Exortamos os governos a assumirem a liderança na facilitação da cooperação em toda a cadeia logística para que as instalações, os arranjos de segurança e os processos de fronteira estejam prontos para a tarefa gigantesca e complexa que se avizinha”, disse o Diretor Geral e CEO da IATA, Alexandre de Juniac.

“A distribuição eficiente de bilhões de doses de vacinas em todo o mundo envolverá obstáculos logísticos e programáticos extremamente complexos em toda a cadeia de abastecimento. Esperamos trabalhar em conjunto com o governo, fabricantes de vacinas e parceiros logísticos para garantir uma implementação global eficiente de uma vacina de COVID-19 segura e acessível”, disse o Dr. Seth Berkley, CEO da Gavi, the Vaccine Alliance.

Instalações

As vacinas devem ser manuseadas e transportadas de acordo com os requisitos regulamentares internacionais, em temperaturas controladas e sem demora para garantir a qualidade do produto.

Embora ainda haja muitas incógnitas (número de doses, sensibilidades à temperatura, locais de fabricação, etc), está claro que a escala de atividade será vasta, que as instalações da cadeia de refrigeração serão necessárias e que a entrega em todos os cantos do planeta será necessária.

As prioridades para preparar instalações para esta distribuição incluem:

  • Disponibilidade de instalações e equipamentos com temperatura controlada – maximizando o uso ou realocação da infraestrutura existente e minimizando construções temporárias;
  • Disponibilidade de pessoal treinado para lidar com vacinas sensíveis ao tempo e temperatura;
  • Recursos de monitoramento robustos para garantir que a integridade das vacinas seja mantida.

Segurança

As vacinas serão commodities altamente valiosas. Devem ser tomadas providências para garantir que as remessas permaneçam protegidas contra adulteração e roubo.

Os processos estão em vigor para manter as remessas de carga seguras, mas o volume potencial de remessas de vacinas precisará de planejamento antecipado para garantir que sejam escalonáveis.

Processos de Fronteira

Trabalhar eficazmente com as autoridades sanitárias e aduaneiras será, portanto, essencial para garantir aprovações regulamentares oportunas, medidas de segurança adequadas, manuseio e liberação alfandegária apropriados.

Isso pode ser um desafio particular, visto que, como parte das medidas de prevenção da COVID-19, muitos governos implementaram medidas que aumentam o tempo de processamento.

As prioridades para processos de fronteira incluem:

  • Apresentar procedimentos acelerados para autorizações de sobrevoo e pouso para operações que transportam a vacina da COVID-19;
  • Isentar os membros da tripulação de voo dos requisitos de quarentena para garantir que as cadeias de abastecimento de carga sejam mantidas;
  • Apoiar os direitos de tráfego temporário para operações transportando as vacinas da COVID-19 onde restrições podem ser aplicadas;
  • Remoção do toque de recolher do horário de funcionamento para voos que transportam a vacina para facilitar as operações de rede global mais flexíveis;
  • Concessão de prioridade na chegada dessas remessas vitais para evitar possíveis variações de temperatura devido a atrasos;
  • Considerar alívio tarifário para facilitar a circulação da vacina.

Capacidade

Além dos preparativos de transporte e coordenação necessários, os governos também devem considerar a atual capacidade de carga reduzida da indústria de transporte aéreo global.

A IATA alertou que, com a severa redução no tráfego de passageiros, as companhias aéreas reduziram as redes e colocaram muitas aeronaves em armazenamento remoto de longo prazo. A rede de rotas global foi reduzida drasticamente dos 24.000 pares de cidades pré-COVID.

A OMS, UNICEF e Gavi já relataram graves dificuldades em manter seus programas de vacinas planejados durante a crise da COVID-19 devido, em parte, à conectividade aérea limitada.

“O mundo inteiro aguarda ansiosamente uma vacina da COVID segura. É responsabilidade de todos nós garantirmos que todos os países tenham acesso seguro, rápido e equitativo às doses iniciais, quando disponíveis. Como agência líder para a aquisição e fornecimento da vacina da COVID em nome do COVAX Facility, o UNICEF estará liderando o que poderia ser a maior e mais rápida operação do mundo de todos os tempos. O papel das companhias aéreas e das empresas de transporte internacional será crítico para este esforço”, disse Henrietta Fore, Diretora Executiva do UNICEF.

8.000 Jumbos

O tamanho potencial da entrega é enorme. O simples fornecimento de uma única dose para 7,8 bilhões de pessoas ocuparia 8.000 aviões Boeing 747 de carga.

Avião Boeing 747-8F
Boeing 747-8F

O transporte terrestre ajudará, especialmente em economias desenvolvidas com capacidade de manufatura local. Mas as vacinas não podem ser entregues globalmente sem o uso significativo da carga aérea.

“Mesmo se assumirmos que metade das vacinas necessárias podem ser transportadas por terra, a indústria de carga aérea ainda enfrentará seu maior desafio de transporte de todos os tempos. No planejamento de seus programas de vacinas, especialmente no mundo em desenvolvimento, os governos devem levar muito cuidado em consideração à capacidade limitada de carga aérea disponível no momento. Se as fronteiras permanecerem fechadas, as viagens reduzidas, as frotas suspensas e os funcionários dispensados, a capacidade de entregar vacinas que salvam vidas ficará muito comprometida”, disse de Juniac.

Informações oficiais da IATA

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias