Vários aviões A340 iranianos têm sido vistos numa pequena cidade venezuelana

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram.

Quando você está no meio de um governo fechado, sem muitas informações, qualquer situação fora do padrão pode virar um verdadeiro jogo de conspirações. É o que está acontecendo nos últimos dias, após grandes aviões da Mahan Air estarem operando num pequeno aeroporto venezuelano.

Foto: Divulgação

Ao longo da semana passada, três voos com aviões Airbus A340-600 da empresa privada iraniana Mahan Air pousaram no aeroporto internacional Josefa Camejo, na cidade venezuelana de Punto Fijo.

Sem que houvesse um anúncio prévio pelo governo venezuelano, os aviões começaram a aparecer e, junto com eles, milhares de mensagens explodiram no Twitter apontando às mais diversas teorias de conspirações. Como ingrediente adicional, o espaço aéreo venezuelano está fechado, portanto, em tese não entrariam voos estrangeiros.

O fato é que tudo leva a crer que os voos têm sido feitos como parte de um esforço do governo Maduro de reaver a produção no deteriorado Complexo de Refinarias de Paraguaná, um dos maiores do mundo e, assim, reiniciar a produção de gasolina à medida que o governo Trump aumenta a pressão sobre Nicolás Maduro.

Sob sanções, a Venezuela não consegue os insumos necessários para a produção do combustível e, mesmo tendo uma das maiores reservas do mundo, já começa a ficar sem gasolina. Na semana passada, a Bloomberg reportou grandes filas nos postos de gasolina de Caracas, mesmo com o toque de recolher por conta do coronavírus.

Tal suspeita para a realização dos voos reside no fato de que, segundo relatos de testemunhas, logo após o pouso da aeronave, vários caminhões-tanque se aproximaram do A340. Embora a operação de descarregamento não pudesse ser registrada, duas pessoas familiares ao assunto disseram à Associated Press que o avião trazia alguns dos principais componentes químicos usados ​​na produção de gasolina. 

Além disso, uma dessas fontes disse à AP que mais 14 voos são esperados nos próximos dias, alguns deles transportando técnicos iranianos para atuar na refinaria. O FlightRadar24, que rastreia voos internacionais, mostrou as rotas dos aviões.

Uma curiosidade que temos é saber que insumos são esses e como eles são transportados dentro do avião. A princípio, os A340 da Mahan voam com passageiros, portanto, o deck principal deve ter assentos. Portanto, é provável que a carga química tenha vindo no porão da aeronave, que deve ter sido adaptado para tal funcionalidade.

De qualquer forma, muitos venezuelanos e iranianos não estão totalmente convencidos da natureza do voo e lançaram vários questionamentos, inclusive sobre a carga no retorno da aeronave. Muitos acreditam que, ainda que tenham trazido químicos, dificilmente os voos voltaram vazios à capital do Irã. O perfil @HeshmatAlavi no Twitter diz que o governo iraniano estaria recebendo dinheiro em troca dos produtos, para ajuda no combate ao covid-19.

Os EUA sancionaram a Mahan Air em 2011 por seu trabalho em transportar combatentes da Força Expedicionária da Guarda Revolucionária Quds, bem como do Hezbollah, na Síria, para apoiar o presidente Bashar Assad. Recentemente, a empresa manteve os voos à China, embora as restrições “teoricamente” impostas pelo regime de Teerã e foi acusada de ter ajudado a trazer o novo coronavírus a seu país.

O destino de seus aviões, como citado anteriormente, tem sido a cidade de Punto Fijo, na costa venezuelana. Apesar de ter um aeroporto com uma pista de 2.800 metros, ele tem um terminal bem modesto e um pequeno pátio de aeronaves, que servem à cidade de menos de 300 mil habitantes, quase todos dedicados à indústria petroleira.

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias