Viajantes estão comprando passagens aéreas apenas para ir ao bar no aeroporto

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Restaurantes na área de embarque do Aeroporto de Dublin – Imagem: Marek Ślusarczyk via Wikimedia

Uma postagem em redes sociais viralizou na Europa na semana passada ao mostrar um grupo de quatro pessoas que compraram uma passagem aérea apenas para consumir em um bar na área de embarque do Aeroporto Dublin, na Irlanda.

O país europeu foi o primeiro país do continente a impor um segundo confinamento generalizado da população para combater a nova onda de COVID-19.

Desde 22 de outubro, os estabelecimentos comerciais não essenciais, como bares e restaurantes, não puderam mais ficar abertos ao público. Isso tem levado o povo irlandês, famoso por sua paixão pela cerveja, a buscar alternativas para matar a sede, e os aeroportos têm se mostrado uma solução eficiente.

Na postagem viral, os quatro clientes compraram uma passagem de uma companhia aérea low cost e gastaram € 9,99 (R$ 63,40) cada. Todos disseram que não pretendiam voar, mas apenas beber dentro da área restrita de embarque.

Um porta-voz do Aeroporto de Dunlin disse ao jornal Irish Mirror que o governo irlandês considerou a operação aeroportuária como um ‘serviço essencial’, mas acessar as áreas de segurança sem a intenção de viajar viola o estatuto do aeroporto.

“Se, como afirmado, quatro indivíduos passaram pela segurança sem intenção de viajar, mas sim para usufruir desse serviço de comida e bebida, isso parece uma violação dos estatutos do aeroporto que afirmam que uma pessoa não pode promover qualquer atividade que comprometa ou interfira com o funcionamento ordenado de um aeroporto”.

Imagem postada pelo grupo no Facebook, via Irish Mirror

O porta-voz também disse que, atualmente, não há evidências de que alguém tenha realmente explorado a brecha na legislação para consumir. “A violação intencional dos estatutos do Aeroporto de Dublin deixaria um indivíduo aberto a uma possível audiência no tribunal.”

Somando o custo dos bilhetes de avião, o preço da refeição necessária e a viagem para o aeroporto, estima-se que o grupo de quatro pessoas teria gasto € 75,96 (R$ 482,09) antes mesmo de comprar uma bebida. Um preço que muita gente pode achar que vale a pena pagar por uma longa viagem à próxima cerveja.

Nova York

Na maior parte do mundo, os terminais aeroportuários são considerados serviços essenciais e estão abertos para receber os poucos passageiros que ainda estão voando. Isso inclui os setores comerciais nas áreas de embarque. Outras pessoas comentaram a postagem dos irlandeses dizendo que também faziam o mesmo para driblar o distanciamento social.

No início nas restrições no estado de Nova York, nos Estados Unidos, o portal View From the Wing noticiou o caso de 18 estudantes universitários que compraram uma passagem aérea apenas para ir em lanchonete fast-food no Aeroporto de Albany, no interior do estado.

Sem pretender voar, o grupo comprou uma passagem para Fort Lauderdale, na Florida, no valor de US$ 98 (R$ 529,46), a tarifa mais barata que conseguiram encontrar no último minuto. Um dos rapazes usou o bilhete para entrar na sala de embarque, comprou um balde de frango e retornou para os amigos.

Mas a situação não é exclusiva uma novidade dos tempos de pandemia. Em 2019, pessoas já estavam sendo presas por comprar passagens e não viajar. Veja abaixo.

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Fabio Farias
Jornalista e curioso por natureza. Passou um terço da vida entre aeroportos e aviões. Segue a aviação e é seguido por ela.

Veja outras histórias

Aeroporto de Campo Grande (MS) terá barreira sanitária contra variante da...

0
Diante da nova variante da COVID-19, o Aeroporto de Campo Grande terá barreira sanitária para identificar possíveis passageiros infectados.